Dica de Leitura: “Bye-bye, Brasil”, por Suzana Herculano-Houzel

Suzana Herculano-Houzel é uma das cientistas mais brilhantes que o Brasil tem.

De verdade.

De ser reconhecida internacionalmente como uma das pessoas que pode mudar o rumo de sua área de atuação.

E ela foi embora. Foi para os Estados Unidos, para ter condições de desenvolver sua pesquisa.

O texto que escreveu para a Revista piauí é sensacional.

E, ao mesmo tempo, triste.

byebyebrasil-piaui
Fonte: Revista piaui. Ilustracao: Roberto Negreiros_2016

Enquanto o Brasil continuar acreditando que não há espaço para a meritocracia, o País jamais irá pra frente.

Cito:

No Brasil, contudo, como pesquisadores são tipicamente contratados como professores universitários, valem as leis do funcionalismo público e seu esquema rígido de remuneração. Não importa o quanto um cientista produza, o quanto se esforce, quanto financiamento ou reconhecimento público traga para a universidade – o salário será sempre o mesmo dos colegas que fazem o mínimo necessário para não chamar a atenção. Ou seja, o sistema na academia brasileira de salários prefixados, garantidos por toda a carreira, com promoções por tempo de serviço, e não por mérito, é o pior possível quando se reconhece a importância da recompensa proporcional ao esforço para manter trabalhadores motivados. A associação de docentes da minha universidade luta ferrenhamente para manter tal isonomia; “meritocracia”, nesses círculos, é palavrão.

Que ela seja verdadeiramente feliz por lá. Poderá, assim, contribuir muito mais para o Brasil.

Para ler o texto completo, clique na figura ali em cima.

Volto mais tarde | Ao som de The Charlatans – These Things |

Anúncios