No Meu iPod: Fernanda Takai, “Na Medida do Impossível”

Nunca me esqueci da primeira vez que tive contato com o trabalho da Fernanda Takai.

Eu tinha uns 10 ou 11 anos e fui ao Minas Tênis Clube ver um show do Lulu Santos. A banda de abertura era um trio que eu nunca tinha visto, mas que me chamou atenção demais por usarem um martelinho igual ao do Chapolin Colorado.

Pouco tempo depois, o Pato Fu assumiu, para nunca mais perder, o posto de uma das minhas bandas nacionais favoritas. E o mesmo serve para a Fernanda como uma das minhas cantoras favoritas.

fernanda-takai

Justamente por isso, busco acompanhar a carreira solo dela.

E qual foi a minha alegria ao ver que, ao lançar o Na Medida do Impossível, ela escolheu como música de abertura uma versão para uma música da Julieta Venegas? Quem acompanha o words of leisure sabe que eu amo essa mexicana de paixão, então meu coração ficou muito cheio de alegria com isso.

No meu post sobre o show da Julieta aqui em BH, escrevi:

Chamou ao palco a linda da Fernanda Takai, para cantar a belíssima Dulce Compañia, que eu jamais imaginei ver ao vivo. Ainda mais em uma versão só ao piano, que apenas ressaltou a beleza da letra.

Apesar de ainda preferir a original, que é muito amada, Doce Companhia ficou muito boa, muito gostosa de ouvir! Ocupa o posto de canção favorita do álbum, por enquanto. Isso sempre muda…

Dentre as 13 faixas do álbum, têm-se músicas inéditas e regravações. Nas do segundo grupo, gostei demais de Como Dizia o MestreA Pobreza e Pra Curar Essa Dor (esta, com participação do Samuel Rosa e que adorei).

Tenho que admitir que fiquei absurdamente de pé atrás quando vi que teria música gravada com o Padre Fábio de Melo. Podem me chamar de preconceituosa, porque fui. Mas não é que gostei? Então, beleza.

Honestamente, gostei do Na Medida do Impossível do início ao fim. E isso não tem sido muito comum de acontecer comigo, com álbuns nacionais.

Absurdamente bem produzido, como era de se esperar quando se tem a Fernanda e o John Ulhoa trabalhando juntos. Dupla sensacional.

Tenho colocado muito para tocar no caminho do trabalho e o álbum flui incrivelmente bem, fácil e gostoso de ouvir.

Fernanda Takai está de parabéns, como sempre!

Abaixo, Para Curar Essa Dor.

Na Medida do Impossível é muito recomendado pelo words of leisure.

Volto mais tarde | Ao som de Fernanda Takai – Doce Companhia |

Anúncios

Na Minha Estante: Muriel Barbery, “A Elegância do Ouriço”

A Elegância do Ouriço chegou a minha casa como um presente dado a minha genitora. Aí, Primogênita também leu e adorou.

Assim, acabou nas minhas mãos.

Sugiro, honestamente, que logo esteja na de vocês.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

O livro de Muriel Barbery é de uma delicadeza maravilhosa.

De acordo com a Companhia das Letras:

À primeira vista, não se nota grande movimento no número 7 da Rue de Grenelle: o endereço é chique, e os moradores são gente rica e tradicional. Para ingressar no prédio e poder conhecer seus personagens, com suas manias e segredos, será preciso infiltrar um agente ou uma agente ou – por que não? – duas agentes. É justamente o que faz Muriel Barbery em A elegância do ouriço, seu segundo romance.

Em outro momento:

As vozes da garota e da zeladora, primeiro paralelas, depois entrelaçadas, vão desenhando uma espiral em que se misturam argumentos filosóficos, instantes de revelação estética, birras de classe e maldades adolescentes, poemas orientais e filmes blockbuster. As duas filósofas, Renée e Paloma, estão inteiramente entregues a esse ímpeto satírico e devastador, quando chega de mudança o bem-humorado Kakuro Ozu, senhor japonês com nome de cineasta que, sem alarde, saberá salvá-las tanto da mediocridade geral como dos próprios espinhos.

Um história de amizades improváveis, fala sobre arte, literatura e cinema com uma inteligência adorável e um humor ácido maravilhoso, que super recomendo a todos vocês.

Entrou tranquilamente na minha lista de favoritos!

Ótimo, ótimo, ótimo!

Volto mais tarde | Ao som de Pato Fu – Me Explica |

Dicas de Maquiagem: Como Aplicar Delineador

Eu não consigo imaginar o dia em que virei aqui dar uma dica de maquiagem. Mas sempre que achar algo que possa me ajudar/me ajuda, claro que compartilharei.

Vi esse vídeo – em inglês – que mostra diferentes formas de aplicar o delineador, que é uma das grandes batalhas da minha vida. No que se diz respeito a maquiagem, óbvio.

Achei very helpful. Se conseguirei fazer, aí é outra história.

O post feito pela moça, com detalhes do produtos usados, pode ser visto aqui.

Ah, antes que me esqueça, a dica do vídeo veio da Chata de Galocha.

Volto mais tarde | Ao som de Pato Fu – Sobre o Tempo |

Cinema: Festival “De Olhos Bem Abertos”

Vocês já devem ter percebido que cinema, pra mim, é um desafio, né?

Um desafio sair de casa e ir assistir, porque depois que chego lá, adoro.

Tenho vários amigos que gostam de debater sobre o assunto, discutir diretores, etc. Por isso, quando li o post Abra os Olhos no Pílula Pop, decidi postar aqui pra divulgar também.

““De Olhos Bem Abertos” é o nome do seminário que propõe uma análise do cinema contemporâneo e que acontece nos dias 27 e 28 de agosto no teatro Izabela Hendrix, em Belo Horizonte.” (Pílula Pop)

Para mais informações, clique aqui.

Volto mais tarde.

Ao som de Pato Fu – Mamãe Ama é o Meu Revólver.

Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 20 Anos de Barcelona

Eu costumo preferir os “Hoje…Algum Tempo Atrás” de antes do meu nascimento, afinal posso pagar de novinha, né?

Pensar que o ouro do vôlei nos Jogos de Barcelona completa hoje 20 anos me faz sentir an oldie.

An oldie but goldie, of course!

Lembro do jogo, da euforia, de ir ver essa geração jogar no Mineirinho, cantando:

“Ai, ai, ai, ai…ai, ai ai ai ai ai ai….em cima, em baixo, puxa e vai”

Legal o gráfico feito pelo Globo Esporte, que mostra o que aconteceu com os atletas e como foi a campanha do título.

Fonte: globoesporte.com

Para ver, clique aqui.

O do iG também ficou legal!

Volto mais tarde.

Ao som de Pato Fu – Me Explica

Hoje…Algum Tempo Atrás: Há 36 Anos Atrás, A Perfeição Era Atingida

Faltam 9 dias para o início das Olimpíadas!

E, por falar nos Jogos, há exatos 36 anos a perfeição era atingida, com a Nadia Comăneci!

Já falei sobre a moça aqui no blog, então, acessem lá!

Volto mais tarde.
Ao som de Pato Fu – Pinga