Tirinha do Dia: Fronteiras do Humor

fronteiras do humor
by Adão Iturrusgarai

Simplesmente, sensacional.

Volto mais tarde | Ao som de The Corrs – Only When I Sleep |

No Meu iPod: Uma Música Por Álbum – The Corrs, parte 2

Então, recapitulando:

Aos que não sabem, decidi criar uma nova série de posts chamada Uma Música Por Álbum, totalmente inspirado no Tenho Mais Discos Que Amigos. A ideia é passar rapidamente por discografia de bandas que gosto, destacando as músicas que mais gosto.

É pra ser divertido…Veremos.

A primeira que escolhi foi o The Corrs e, exclusivamente para eles, fiz um post introdutório como vocês podem ver aqui.

Este post também é dedicado aos queridos Stefan, Karla e Giandro.

Uma coisa que esses irmãos irlandeses não podem reclamar de mim é de download ilegal. Tudo 100% original. Inclusive, com direito a repetições.
Uma coisa que esses irmãos irlandeses não podem reclamar de mim é de download ilegal. Tudo 100% original. Inclusive, com direito a repetições. Minha coleção, meu acervo.

Forgiven, Not Forgotten, 1995.

Forgiven_Not_Forgotten

Forgiven, Not Forgotten é o álbum de estreia da banda. Será, eternamente, o meu mais querido. Mesmo não sendo o melhor*.

*Desnecessário dizer que é na minha opinião, né?

A mistura da música celta com pop/rock, no qual a Sharon Corr dá shows no violino, é incrível. Alguns clássicos da banda estão ali, como a canção que dá nome ao disco, além da maravilhosa Runaway, The Right Time (que eu não gosto), Love to Love You, além das instrumentais Toss The Feathers e Erin Shore.

Por mais contraditório que possa parecer, mesmo sendo a Sharon a minha favorita na banda, a música que eu mais gosto do disco é aquela na qual a pessoa deixa de demonstrar seu talento no violino para fazê-lo no piano: Closer. Amo horrores, é linda demais!

Talk On Corners, 1997

O segundo disco é o melhor de todos. Absolutamente sensacional desde o primeiro momento até o último. E é o que tem a minha música favorita deles.

 The_Corrs_-_Talk_On_Corners

Canções sensacionais estão ali como Queen of Hollywood, a perfeita Only When I Sleep, o maravilhoso cover de Dreams, do Fleetwood Mac e de Little Wing, do Jimi Hendrix.

Mas aquela que é o “amor da minha vida” não foi lançada como single, não ficou famosa e é mais que perfeita: No Good For Me.

In Blue, 2000

A minha relação com esse álbum mudou com o passar dos anos. Pouco antes do lançamento dele que eu conheci a banda e estava totalmente fascinada por todo o lado celta deles. E o In Blue é pop, né? Então, de cara fui muito relutante, principalmente com músicas como Breathless e Irresistible. A Sharon tinha dado uma largada no violino o que não me agradava nem um pouco.

In_Blue_(The_Corrs_album_-_cover_art) (1)

Mesmo sendo um disco mais pop, ele é triste visto que foi profundamente marcado pela morte da mãe deles. No More Cry e At Your Side são totalmente sobre isso. Ao mesmo tempo, é a época em que eles estão mais bonitos.

Hoje, eu gosto mais dele que antes e acho que tem músicas muito boas. Radio, All In A Day, Say, Rain são algumas das excelentes. Give It All Up é a pior música da história da banda…horrível.

Em compensação, a que a segue é a minha favorita do álbum: Hurt Before. Belíssima!

Borrowed Heaven, 2004.

borrowed heaven

Eu tive uma predisposição imediata a gostar desse disco, já que foi na turnê dele que eu realizei meu sonho e vi a banda ao vivo! Ainda assim, mais pop que os dois primeiros, um pouco menos que o In Blue.
Mesmo tendo músicas que eu não curto, como a Borrowed Heaven, Angel e Time Enough For Tears, ele tem outras que eu adoro, como: Hide Away, Goodbye, Even If e Confidence For Quiet.

Mas a mais lindona de todas é Long Night! A Sharon mandou bem demais, tanto na letra quanto no violino. Muito linda.

E está nele a minha instrumental favorita, a incrível Silver Strand. Maravilhosa até pedir para parar.

Não são só rostinhos bonitos, né?

Home, 2005.

É curioso: passei a gostar da banda principalmente por toda a influência da música celta misturada ao pop/rock. Os dois últimos discos citados eram mais pop que deveriam, para o meu gosto. Aí, quando a banda se volta totalmente para a Irlanda e faz um disco que é quase 100% celta, com covers de músicas tradicionais…..bom, é de todos o que eu menos ouço. Vai entender.

CorrsHome

É um álbum muito belo e o cover deles de My Lagan Love é o mais belo que já ouvi. E olha que tem um bocado de gente grande que também já tocou a música como The Cranberries, Van Morrison, The Chieftains.

Tem outras muito boas como Old Town, Spancill Hill e Dimming of the Day. Sem contar que é no Home que a Andrea finalmente canta em gaélico, nas músicas Buachaill Ón Éirne e Bríd Óg Ní Mháille. Amei.

Não há muito o que dizer, apenas ouço pouco.

Bom, é isso.

A banda está parada, sem perspectiva de voltar.

Os quatro já têm uns 3000000 filhos, a Andrea lançou dois discos solo (um foi comentado aqui no blog). A Sharon também já lançou dois, ela que parece ter desabrochado na sua carreira fora da banda. Seus solos são muito melhores que o da irmã mais nova e famosa.

A moça estará em São Paulo nos dias 17 e 20 de outubro e meu coração está em frangalhos por não poder ir a nenhum deles. Triste, mas é a vida.

PS: Karla, dá um abraço nela por mim!

Espero logo comentar sobre o belo The Same Sun, que é o motivo dos shows por aqui.

Importante ressaltar que só comentei os discos de estúdio, mas a banda tem seus Best Of e excelentes discos ao vivo, entre eles aquele que é um dos melhores acústicos da história da MTV. Increíble!

Abaixo, a belíssima versão de Runaway, com direito ao adorável erro da Caroline e a seguida zuação imposta pelos irmãos. Como não adorar? Tem jeito não!!

Mesmo com a Sharon voando solta, eu realmente espero que um dia eles voltem. Saudade bateu de com força com esses posts.

Volto mais tarde | Ao som de The Corrs |

Dicas de NYC: A Cidade Em 150 (Lindos) Segundos

Nossa, que vídeo sensacional!

Quem o fez se chama Brian Emerick e sua ideia foi fazer um vídeo com imagens de NYC que duram 1 segundo, durante sua viagem de 12 dias na cidade.

Conclusão? Necessito voltar a essa cidade, asap!!!

Coisa mais linda da tia!

Vi no blog The Big Picture.

Volto mais tarde.

Ao som de The Corrs – Only When I Sleep

Música do Dia: The Corrs – Only When I Sleep

Tem mais de 15 anos que eu escuto essa música.

E a sensação que ela me dá logo no início, do tipo “isso é incrível”, não passa.

Não passará nunca.

Tudo, em Only When I Sleep, é excelente.

Mas o início…nesse vídeo, dos 5 aos 21 segundos…perfeito.

O solo de violino também é um espetáculo.

Para comparar com a versão original, clique aqui.

You’re only just a dreamboat
Sailing in my head
You swim my secret oceans
Of coral blue and red

Your smell is incense burning
Your touch is silken yet
It reaches through my skin
Moving from within
Clutches at my breasts

CHORUS:
But it’s only when I sleep
See you in my dreams
Got me spinning round and round
Turning upside down

But I only hear you breathe
Somewhere in my sleep
Got me spinning round and round
Turning upside down
(Only when I sleep)

When I wake up from slumber
Your shadows disappear
Your breath is just a sea mist
Surrounding my body

I’m working through the day time
But when it’s time to rest
I’m lying in my bed
Listening to my breath
Falling from the edge

It’s only when i sleep
yeah, yeah, yeah, yeah…
It’s only when i sleep

Until the sky
Where the angels fly
I’ll never die
Higly dangerous

It’s reaches through my skin
Moving from the within
Clutches at my breats

But it’s only when i sleep
See you in my dream
Got me spinning round and round
Turning upside down

But i only hear you breathe
In the bed i lie
No needs to cry
My sleep crying
Higly dangerous

Volto mais tarde.

Ao som de The Corrs – Only When I Sleep

Música do Dia: Only When I Sleep

Algumas pessoas que visitam o blog me perguntam de onde vem a importância da música pra mim.

Ainda tenho que escrever sobre isso. Aí vocês verão a relevância que essa banda tem na minha vida.

Queridos demais

Only When I Sleep tem uns dos meus 20 primeiros segundos favoritos.

Não entenderam? Escutem!

Volto mais tarde.

Ao som de The Corrs – Only When I Sleep