Música do Dia: The Cardigans – Explode

Eu tenho uma playlist no meu telefone que é um tributo à Nina: seja no seu álbum solo, com o A Camp e, claro, com o Cardigans.

Só tem dado essa playlist nas últimas duas semanas….

the-cardigans

Ainda mais essa versão de Explode, que é incrível.

‘cause you’re deserted
what’s good, you hurt it
and kills you it keeps you alive

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Explode |

Anúncios

Dica de Leitura: “A estúpida estratégia de dublagem do Canal Sony”, por Bruno Carvalho

O Bruno Carvalho, do querido Ligado em Série, publicou o texto A estúpida estratégia de dublagem do Canal Sony, que faço questão de recomendar por aqui.

Retirado do post do Ligado em Série
Retirado do post do Ligado em Série

Essa não é a primeira vez que me posiciono contra a decisão de canais de TV, como vocês podem ver aqui e aqui.

Não tenho o menor problema que a dublagem seja uma opção.

Começo a ter um problema quando ela passa a ser a primeira opção. Mas, ainda assim, se o áudio original e a legenda estiverem ali de fácil acesso, ok.

Entretanto, agora que estão colocando a dublagem como primeira e, o pior, única opção para assistirmos séries e filmes, aí eu passo a ter problemas demais. Principalmente porque paga-se para ter esses canais.

Não consigo mesmo entender essa estratégia.

Cada vez mais, os canais de TV estão perdendo espaço. Tanto para a Netflix, por exemplo, quanto para os downloads ilegais.

Aí, como decidem encarar a questão? Afastando ainda mais o público!

Um dia, liguei a TV no Sony e passava uma propaganda de Grey’s Anatomy, dublada, que doía na alma assistir.

Em outro momento, passava Revenge, também dublada. Ao tentar mudar, só tinha o áudio original, mas sem legendas.

Se a exibição estivesse acontecendo apenas para mim, não teria problema. Mas sei muito bem que essa minha condição, de ser apta a ver um programa em inglês, sem legendas, é algo restrito a uma parcela muito pequena da população brasileira.

E, como falei acima, essa população que quer ver TV com o áudio original e legendas está pagando pelo serviço.

Um absurdo!

Sempre gostei demais do Sony. Sem contar que quem acompanha o words of leisure sabe muito bem o tanto que gosto de ver séries de TV.

Mas assim, fica difícil.

Leiam o texto do Ligado em Série. Basta clicar na figura lá em cima, ou aqui.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – The Grand Destruction Game |

Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 20 anos do Life, do Cardigans

É, o Hoje…Algum Tempo Atrás está de volta, de com força!

 Hoje, com um álbum que fui ouvir de verdade, e amar, anos depois.

A banda, o Cardigans, eu comecei a gostar no álbum seguinte. Para amar e virar uma das minhas bandas mais amadas, um tempo depois.

Pois é, nada aconteceu no “tempo certo”, digamos assim…

IMG_0412

Continuar lendo “Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 20 anos do Life, do Cardigans”

Música do Dia: Nina Persson – Don’t Blame Your Daughter

Nina Persson: <3

Cardigans: <3 <3 <3

Nina cantando Cardigans – Don’t Blame Your Daughter – com a Orquestra Sinfônica de Gotemburgo:

Quanto amor a ser distribuído!

01_131106_EM_02_209_WEB

Don’t blame your daughter
That’s just sentimental
And don’t blame your mum
For all that you’ve done wrong
Your daddy’s not guilty
You came out a little faulty
And the factory closed
So you can’t hold them liable
You come from an island
You’re cutting diamonds
With a rubber knife

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Don’t Blame Your Daughter |

Dica de Leitura: A Geração X Está Chutando o Balde

Um amigo compartilhou esse texto no Facebook, A Geração X Está Chutando o Balde, escrito pela Fabiana Gabriel.

Como fala sobre a minha geração (sim, a tal da X) fui ler.

balde3
ilustração: Juliana Montenegro. Retirada do Revista Carne Seca.

E achei muito interessante.

Cito:

Acontece que grande parte da Geração X chegou aos 30, 40 anos e descobriu que para juntar meio milhão e dar entrada, com sorte, num apartamento modesto que irá pagar até seus 60 anos, o caminho é longo e o preço é alto, bem alto. Os poucos que conseguem, heroicamente, conquistar seus bens e sonhos sem a ajuda dos pais, estão exaustos. Olham em volta e mal têm tempo de curtir os filhos ou as férias exóticas que sonham (e têm dinheiro para tirar) para a Tailândia, Marrocos ou Havaí. Há também aqueles que ficaram tão ocupados em conquistar aquilo que lhes foi prometido que deixaram para “daqui a pouco” os filhos, os hobbies e a felicidade e perceberam, agora, que “desaprenderam a dividir”.

Para ler o texto integralmente, clique na figura acima.

E não. Eu não chutei o balde. Ainda não.

Deveria.

Olho no lance…..

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Food For The Beast |

 

wol: Junho, Um Ótimo Mês Para o words of leisure

E não é que Junho foi o melhor mês de 2014 (espero que dure pouco) e o segundo melhor, em audiência, na história do words of leisure?

Alguns dos grandes responsáveis foram esses posts:

bilingue

O post é antigo, mas foi retomado no Facebook e amplamente compartilhado!

legging

Este é recente e parece que seu adorável senso de humor agradou. Também foi muito compartilhado.

raiva

Este é o post mais acessado da história do words of leisure, né? Permaneceu muito bem em junho.

glouton

Post da Primogênita agradou, como sempre. Veio ao final do mês e foi muito bem recebido.

sushi

A etiqueta para comer sushi e a percepção de muitas pessoas, que viram estar fazendo tudo errado, renderam um bom acesso ao post!

E qual a conslusão disso tudo?

A afirmação, mais uma vez, que compartilhamento é o que permite o crescimento de um blog!

Por isso, agradeço horrores a todos que fazem isso. Sem a ajuda de vocês, isso aqui não vai pra frente não…

Então: viram um post?
Gostaram?
Compartilhem!

Agradecida!

PS: Para acessar cada um dos posts mencionados, basta clicar nas respectivas figuras, ok? 

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Food For The Beast |

Dica de BH – O Mercado Central, pelo Catraca Livre

Coincidência, ou não, logo ontem que eu coloquei o Mercado Central como um dos meus lugares favoritos de BH, o Catraca Livre liberou um post sobre esse maravilhoso local.

Eu não vou me alongar porque ainda espero fazer um post meu sobre ele. Enquanto isso, vale a pena  ver o deles.

Mercado Central

Clique na figura acima para acessar.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Food For The Beast |

Música do Dia: Nina Persson – Food For The Beast

Uma das cantoras mais amadas do words of leisure está com clipe novo.

Que já entrou na lista dos adorados. Muito, muito bom. Amei!

O álbum da Nina, o adorável Animal Heart, foi um dos poucos comentados em 2014 aqui no blog. Para ler a review, clique aqui.

Escutem! Como é bom ainda ver originalidade nesse mundo de hoje…

nina perssonMulher phueda.

Foto tirada da página dela no Facebook.

all broken hearts baby, bring them to me
fit them together, they set themselves free
legions of lovers will stand
and the rest is food for the beast

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Food For The Beast |

Dica de Site: Amor Pela Fotografia

Desde que criei o words of leisure eu falo sobre a minha vontade em aprender a fotografar.

Vontade esta que vem muito antes do blog.

Pois é, até hoje nada de aula oficial. Então fico com as coisas que vejo na internet.

Como a dica dada pelo Catraca Livre, o site Amor Pela Fotografia.

amor pela fotografia

Ele é muito legal, com várias dicas diferentes, de iluminação a equipamentos.

Curti bem. Quem sabe vocês também?

Cliquem na foto acima para dar uma olhada.

Vale a pena.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Catch Me Crying |

Dica de Leitura: “Dores de Rodoviária: Mãe e o Dia de Ir Embora”, Por Xico Sá

Alguns amigos compartilharam este texto no Facebook, no Dia Das Mães.

Não consegui ler naquele momentos, salvei o link no meu Pocket e acabei me esquecendo totalmente dele.

Pois bem, li ontem e não poderia deixar de colocar aqui…

Dores de Rodo-XicoSa

…afinal, como sempre falamos, todos os dias são Dia Das Mães, né?

Texto mais querido, claro que me emocionei.

Eis que recentemente me contaste como foi duro, que tudo não passava de um jeito para não fazer que eu desistisse de ganhar a rodagem. Aí me lembrei de uma sabedoria que citava nas cartas e bilhetes, quando eu esmorecia um pouco na sobrevivência da cidade grande: “Saudade não bota panela no fogo”. E ainda reforçava: “Saudade não cozinha feijão, coragem, filho, coragem”.

Em nome das mães de todos os meninos e meninas que partiram, dona Maria do Socorro, quero te deixar beijos e flores.

Oh lindeza…

Para ler o restante, clique na foto acima.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Animal Heart |

Infográfico: O Domínio Feminino nas Redes Sociais

É meninas, nós realmente estamos dominando as Redes Sociais, como vocês podem ver no Infográfico abaixo!

Usamos mais quantitativamente. O domínio é em quase todas as mídias, no Pinterest nem se fala!! A exceção está no sensacional LinkedIn.

Também utilizamos muito via smartphones e tablets, consumimos e compartilhamos mais notícias.

social-media-infographic

Curti demais.

Vi aqui.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Dreaming of Houses |

 

Música do Dia: Nina Persson – Dreaming Of Houses

No presente momento, a minha favorita do Animal Heart.

NinaPersson-DreamingofHouses

Give me a place where it’s quiet
And my head can rest
And maybe dreaming of houses can save me
Scenes in the wallpaper
Map the architecture of my mind.

Fireworks and factory seconds
Smoking embers all that’s left when
All I wanna do is keep what’s mine
From going up the chimney.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Dreaming Of Houses |

 

No Meu iPod: Nina Persson, “Animal Heart”

Este costuma ser o diálogo, quando falo sobre o tanto que eu gosto da Nina Persson:

NinaPersson

– Quem?

– A cantora do Cardigans!

– De quem?

– A de Lovefool.

– Ahn?

– “Love Me“! “Love Me“!

– Viviane, por favor, não cante…

– Essa aqui, “ó” (como boa mineira):

E aí, tem-se a reação:

– Ahhhhh, claro!

Só não se tem essa reação quem não estava vivo na década de 90.

Bom, claro que existem cantoras por aí que tecnicamente podem ser melhores que ela. Mas o fato é que é uma das minhas favoritas, queridona mesmo. Tanto no The Cardigans quanto no A Camp, o outro projeto da moça.

Aí, no ano passado, quando foi anunciado que ela lançaria um disco só dela, eu não sabia ao certo o que esperar. Mas aguardei com grande ansiedade aquele que viria a ser o Animal Heart.

Nina-Persson-Animal-Heart-Cover-300dpi

Continuar lendo “No Meu iPod: Nina Persson, “Animal Heart””

Dica de App: Upflix

Certa vez, comentei aqui no words of leisure: Netflix acabará com o pouco que me resta de idas ao cinema.

Também aqui no blog, recomendei a excelente Revista iThing.

Pois bem, o presente post é uma junção de tudo isso, já que fui conhecer o aplicativo Upflix na Revista.

upflix2

Ele é uma mão na roda para os que fazem uso da Netflix, já que divulga – quase todos os dias – quais são os filmes, documentários e séries que são incorporados à base de dados da empresa.

E visto que um dos grandes problemas da Netflix ainda é o acesso à sua base, o Upflix torna-se bem importante.

Tem versão gratuita e paga, esta sem propagandas. Está disponível para iPad, iPhone, iPod. Também para Android.

Para download, clique na figura acima.

Muito bom. Fica a dica.

Atualizado em outubro/2014:

Durante o ano o Upflix apresentou algumas instabilidades, mas agora parece ter voltado ao normal. Veremos.

Volto mais tarde| Ao som de Nina Persson – Animal Heart | 

Música do Dia: Nina Persson – Food For the Beast

Mais uma do disco solo da Nina Persson.

nina-persson

run run run, put your fur boots on, baby
so long to the beauty salon, lady
run run to the beat of the song
and you’re gone and you’re gone

all broken hearts baby, bring them to me
fit them together they’ll set themselves free
legions of lovers will stand
and the rest is food for the beast

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Food For the Beast

Música do Dia: A Camp – I Signed the Line

Nina Persson dominando minha semana, como é possível ver no meu last.fm.

lastfmnina

Logo, minha opinião sobre o disco solo dela, Animal Heart.

Por enquanto, fico com um dos seus projetos fora do Cardigans, o lindão do A Camp.

acamp-photo

Don’t send me letters in bottles anymore
And don’t come a-knocking or darken my door
We’ve got a contract, devotion evermore
We’re legally bonded in richness and in poor

I signed the line that was dotted
I’d like to end what I started
I signed the line and I realize
A lot of lies were written in letters
In bottles that tend to run aground

Volto mais tarde | Ao som de A Camp – I Signed the Line |

Dica de Leitura: Conversa À Toa Sobre o Começo, o Meio e o Fim do Amor

Estou aproveitando esses últimos dias para colocar leituras em dia. Tinha salvo o texto Conversa à toa sobre o começo, o meio e o fim do amor (no Pocket) há um tempo, mas só consegui ler ontem.

Elena-Romanova-620x400
Texto publicado na Revista Bula

E ainda bem que o fiz, porque o texto é belo.

Cito:

Então, uma vez iniciado, o amor vive sua maior peleja: o meio. Porque difícil não é o começo e nem o fim do amor. É o meio, o que existe entre um e outro lado da história, entre a capa e a contracapa, a frente e o verso. O morno que um dia foi água pelando e no outro será gelo e indiferença. A segunda, terça, quarta e quinta feiras de todo amor.

Quando chega ao meio é que o amor se põe à prova. E só sobrevive a esse terreno esburacado e enganoso o amor dos amantes operários. O amor trabalhador. Porque é de subidas dolorosas, descidas traiçoeiras e retas sonolentas que se compõe esse meio-caminho.

Muito, muito, muito bacana.

Para ler, clique na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Sometimes |