Dica de Livro: “O Menino Que Foi Morar Dentro da Televisão”, por Flávia Vilhena

Que coisa boa, poder escrever sobre um livro que não somente é super bacana, mas que é de uma amiga???
E não que seja um “jabá”, que escrevo por ter sido escrito por alguém que conheço, mas por ele ser bem legal, de verdade??

Acervo pessoal


Conheço a Flávia Vilhena há uns bons anos e, dentre as várias coisas que temos em comum, sempre esteve o gostar de escrever. Ela sempre foi de postar textos e fotos sobre viagens, seus filhos, maternidade, família e sempre torci por pessoas que insistem na luta por textos com mais de dois parágrafos, nos dias de hoje. 

Aí, quando ela anunciou que ia publicar seu primeiro livro, não tinha como não entrar na pré-venda e garantir o meu!
O Menino Que Foi Morar Dentro da Televisão é sobre a batalha travada por várias famílias, no Brasil e no mundo: como lidar com o consumo de telas pelas crianças? 

Acervo pessoal

Como dito, logo no início:

“Essa é a história do Caetano, um menino contente e brincalhão, que adora passear e correr, ler livros e assistir televisão”.

Particularmente, acho que a Flávia lidou com a questão com muita parcimônia, sem o radicalismo de “zero tela” ou de “100% tela”. Além de tratar com muita leveza….Aristóteles. Sim, o próprio.

Acervo pessoal

Vale destacar também as ilustrações da Luiza Hickmann, que são um caso a parte no livro, já que trouxeram muitas cores e alegria, em um tema tão importante. 

Acervo pessoal


Acho uma ótima opção de presente para criançada, pena que escrevi muito em cima do Natal! 

Deixo aqui o Instagram da Flávia e da Luiza, para que vocês acompanhem os respectivos trabalhos e vejam as formas de comprar o livro.

 
E, claro, parabéns, Flávia! Como te falei, que sonho poder escrever um livro!
PS: em tempo, Feliz Natal à todos que chegaram até aqui! 

Volto mais tarde | Ao som de The Corre – My Lagan Love

Dica de Livro: The Five, da Hallie Rubenhold

Era com esse post que eu queria ter retomado o blog.

Acervo Pessoal

Fiquei sabendo da existência do The Five pela Magê Santos, que já apareceu no wol, nesse post aqui. Ela divulgava em suas redes, no ano passado, o crowdfunding feito pela bela Editora Wish.

O que mais chamou a minha atenção foi uma frase que era mais ou menos assim: “o livro que busca dar dignidade às vítimas do Jack, o Estripador”.

Até então, o meu conhecimento era que ele tinha matado prostitutas, afinal, isso que sempre foi dito por aí, né?

Aí, entrei no financiamento e aguardei que meu livro chegasse para conhecer a história dessas mulheres, cujos assassinatos foram tão crueis. Mesmo com o receio de como os momentos finais seriam retratados.

Estou aí no meio dos agradecimentos. Acervo Pessoal.

Ao recebê-lo, era impossível não ficar encantada pela execução da Wish. O livro é primoroso em sua edição.

Acervo Pessoal

Mas, indubitavelmente, as histórias falam mais alto que tudo.

A forma em que a autora pesquisou a história de cada uma é louvável, ainda mais quando se pensa no acesso à informação da época e, para piorar, de mulheres que viviam na pobreza.

Pelas histórias de Mary Ann Polly Nichols, Annie Chapman, Elizabeth Stride, Catherine Eddowes e Mary Jane Kelly somos apresentados a um outro lado daquela Inglaterra rica e poderosa que estudamos em nossas aulas de História. Um que é paupérrimo, em que as pessoas viviam em condições subumanas de higiene e de precariedade habitacional absurda.

Por todo o tempo, eu me perguntava: “o que essas mulheres viveram, fizeram, falaram, o que as levaram a estar naqueles dias específicos, horários e locais, para um fim tão cruel?”. Particularmente, a história da Annie Chapman foi a que mais me tocou, mas são todas muito tristes.

The Five é um livro de 400 páginas, que eu li em menos de uma semana. Desnecessário dizer que tem uma forte carga emocional.

Mas, a autora é extremamente bem-sucedida no seu propósito de dar dignidade a essas mulheres, sendo muito respeitosa a elas. Tanto ao retratar suas vidas, quanto seus momentos finais.

Super recomendo a leitura.

Fica a dica.

Volto mais tarde | Ao som de The Corrs – Borrowed Heaven | #twitternomore

Infográfico: Sobre o bloqueio de escritor

Muito bacana esse infográfico, sobre writer’s block, ou bloqueio de escritor.

Causas, tipos, etc. Como não sou escritora, não posso atestar muito sobre o conteúdo, mas…

IMG_0204

Algum escritor por aqui, para atestar o que está escrito aí em cima?

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Higher |

R.I.P.: Hilda Furacão

Acabo de ler que faleceu a Hilda Furacão, aos 83 anos, em Buenos Aires, de causas naturais.

Em julho desse ano, fiz questão de publicar uma reportagem feita pelo Estado de Minas: Dica de Leitura: Jornal “Estado de Minas” Encontra Hilda Furacão. Ficou bem feita e interessante.

Fonte: Estado de Minas
Fonte: Estado de Minas

Logo após essa cobertura feita por eles, outros canais de mídia também foram atrás dela e se colocaram como se tivessem sido os primeiros. Achei de uma deselegância ímpar.

Por isso mesmo, coloco aqui a matéria feita pelo jornal mineiro, a respeito dessa senhora que despertou o imaginário de muita gente, mesmo sabendo que a Hilda Furacão de verdade não é aquela relatada no livro de Roberto Drummond.

Viveu uma vida intensa. Que descanse em paz.

Volto mais tarde | Ao som de Adam Levine – Lost Stars |

Infográfico: Quanto tempo para ler os clássicos

Eu fico verdadeiramente feliz quando alguém vê algo bacana na internet e me manda, com o argumento: “lembrei do words of leisure”.

Foi o caso do infográfico abaixo, que teve a felicidade potencializada em vários graus por ter vindo de um amigo tão querido e que dá tanto apoio ao wol.

Valeu demais, Turco!

Olhem só que sensacional:

Personal Creations estimou quanto tempo dura para ler alguns dos maiores clássicos da literatura, tendo como referência a leitura de 300 palavras por minuto (que eles entendem como sendo o padrão médio).

Será que o Anna Karenina dá isso mesmo?

A Revolta de Atlas, já comentado aqui no blog, está lá.

howlongtoreadgallery

Sensacional!

E vocês, o que acharam?

Volto mais tarde | Ao som de She & Him – In The Sun |

TED Talks: Elizabeth Gilbert: Sucesso, Fracasso e o Ímpeto de Continuar Criando

Gente, quanto tempo sem um TED Talks aqui no words of leisure, hein?

Essa não é a primeira vez que a Elizabeth Gilbert aparece, afinal, o Alimentando a Criatividade foi postado no blog.

maxresdefault

O último feito por ela, Sucesso, Fracasso e o Ímpeto de Continuar Criando, é muito interessante, porque ela fala sobre o processo de voltar a escrever após um grande sucesso.

Ela traz pontos bem interessantes, neste curto vídeo de 7 minutos.

Vale a pena parar para ver.

Volto mais tarde | Ao som de Adele – Make You Feel My Love |

Infográfico: Dados Sobre os E-Books

E no Dia Mundial de uma das coisas mais sensacionais já inventadas na História da Humanidade – o Livro – segue um infográfico sobre a “nova” forma de ler.

Mesmo sendo eu uma grande entusiasta da tecnologia, essa é uma que eu ainda não adotei na minha vida. Ainda fico com o papel e seu cheiro que tanto amo.

Detalhe: Os dados não são atuais, mas acho que rola de ter uma boa noção.

infografico-e-books

Interessante.

Volto mais tarde | Ao som de Alicia Keys – A Woman’s Worth |