Dica de Leitura: Rita Lisauskasa, “Amigos não contam cromossomos”

O último dia 21 foi o Dia Internacional da Síndrome de Down, né?

Por conta dele, li o texto Amigos não contam cromossomos, da Rita Lisauskasa, publicado no Estado de São Paulo.

Muito interessante.

cromossomos

Cito:

Perguntei para o meu filho, por curiosidade e por querer escrever esse post, o que a amiga dele, Manu, (que tem Síndrome de Down) tinha de diferente.

Samuel e Manu moram no mesmo prédio, estudam na mesma escola, só que em horários diferentes. O cromossomo a mais de Manu, que faz com que ela tenha Síndrome de Down, nunca foi problema para ele. Para o Samuca a Manu é a amiga legal que topa qualquer brincadeira, que adora abraçá-lo e dividir seus brinquedos.

Só falo uma coisa: a resposta do Samuel merece ser lida.

O texto é bem curto. Para acessá-lo, basta clicar na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Coldplay – Everything’s Not Lost |

Anúncios

Dica de Leitura: “Socorro! Eu não nasci para ser fitness!”

Eu ri com o texto Socorro! Eu não nasci para ser fitness!, da Ruth Manus.

Não por identificação.

Eu sempre amei esportes. Educação Física era uma das poucas ccoisas que era boa na escola.

Mas não que eu tenha nascido para ser fitness.

ruthmanusfitness

Só que exercícios físicos não me são um sofrimento.

Qual o momento que me identifiquei? Esse aqui:

Enfim. Pode ser que você tente fazer uma aula. Zumba, step, jump. A probabilidade de dar certo é de cerca de 1 em 497. Então, aqui vão duas dicas:

1) Fique no fundo. BEM no fundo. Se for possível, atrás de uma pilastra e com aqueles óculos de disfarce que já vem com um bigode.

2) Quando, na coreografia, você achar que é pra ir para a direita, vá para esquerda e quando achar que é para a esquerda, vá para a direita. Costuma funcionar.

Para ler o texto completo, que é divertido, clique na figura acima. Ou aqui.

Volto mais tarde | Ao som de No Doubt – Sparkle |

Música do Dia: Joe Cocker – Have a Little Faith In Me

Vale a pena ler a matéria feita pelo Estadão, sobre um dos maiores intérpretes da música.

Ever.

Estão saindo várias outras por aí, igualmente boas. Mas, fico com essa.

JoeCocker-RIP

Novamente, que descanse em muita paz.

Joe_cocker_1970

When the roads gets dark
And you can no longer see
Let my love throw a spark
Have a little faith in me

Volto mais tarde | Ao som de Joe Cocker – Have a Little Faith In Me |

Infográfico: O Faturamento Das Empresas De Tecnologia Por Segundo

Esse eu vi no Link do Estadão.

E é de cair o queixo.

O site World Pay Zinc fez um levantamento de quanto as empresas de tecnologia faturam por segundo, baseado nos relatórios trimestrais enviados por elas aos seus acionistas.

Google? US$ 658

Samsung? US$ 1540

Apple? US$ 1997

8-seconds

Impressionante.

Só nascendo de novo, mesmo….

Volto mais tarde | Ao som de The National – Guest Room |

 

Dica de Tecnologia: Como Economizar a Bateria do iPhone

Pessoal,

Apenas um post rápido aos que estão ruminando o almoço da Sexta-Feira Santa e de bobeira na internet.

Uma das grandes reclamações em torno dos smartphones é que as baterias duram muito pouco, né?  Vira e mexe aparecem dicas do que podemos fazer para que durem mais. Eu mesma já postei aqui no words of leisure.

Para mim, a diferença dessas dadas pelo Scott Loveless, ex-funcionário da Apple, é que duas delas me surpreenderam bem.

iphone

Texto do Link, do Estadão:

1) Não feche apps usados constantemente
Parece contraditório, mas, como o mesmo Scott Loveless indica, para garantir que o celular vai gastar menos bateria é bom não fechar aplicativos já abertas. Primeiramente porque o fato de estar aberta não significa que o app está gastando bateria, segundo Loveless, o iPhone “congela” sua operação e a reativa quando o usuário quer voltar a usá-lo. Em segundo lugar, o especialista diz que o celular gasta muita energia abrindo aplicativos. Encerrá-los e abri-los muitas vezes exige, assim, uma energia redundante.

Não somente eu sempre fechei, mas também sempre falei para amigos e familiares que isso era fundamental! Cacilds.

2) Bloqueie atividades em segundo plano
É importante impedir que aplicativos façam como o Facebook e suguem a energia do seu aparelho enquanto não estão em uso. Para fazer checagens de localização e atualizações (alguém te mandou mensagem? responderam o seu tweet? comentaram sua foto?), o app tem que estar em frequente comunicação com o servidor. E adivinhe? isso suga bateria. Então desligue o “push” de notificações (Configurações > Central de Notificações) e as atualizações em segundo plano (também é possível escolher se o bloqueio é total ou por app, em Configurações > Geral > Atualização em 2º plano).

Para ver quais são as outras, clique na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Franz Ferdinand – No You Girls |

Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 10 Anos do Orkut

E não é que ontem o Orkut completou 10 anos de vida?

E não é que o Orkut ainda existe?

orkut

Não somente usei, mas usei demais da conta!

Não me lembro de quando cometi o meu orkuticídio mas acho que foi lá para 2008.

Pois bem, o Link, do Estadão, fez dois posts bem interessantes sobre essa “extinta mas não extinta” rede social:

Orkut faz 10 anos e curte sobrevida

Sobrevida? Uhn?!

10 motivos para sentir saudades do Orkut 

O primeiro eu concordo absurdamente:

Fonte: Link
Fonte: Link

As comunidades do Orkut em muito prolongaram a minha estadia por ali. O Facebook nunca chegou aos pés dele, nesse sentido. Eram sensacionais!

Ao final, a rede encheu o raio do saco, mas foi muito legal, por um bom tempo.

Então, já que ainda está viva: parabéns a ela, né?

Volto mais tarde | Ao som de The Killers – Daddy’s Eyes |

Dica de SP: O Ainda Não Restaurante Do Jamie Oliver

Gente, e a confirmação, pelo próprio Jamie Oliver, de que abrirá um Jamie’s Italian em São Paulo?

Cobicei!

paladar
Do Instagram do Paladar

Cito:

Soa o gongo. Uma assessora interrompe: “Jamie, você tem que ir. Tem outros compromissos ainda esta noite”. Ele vira para mim: “Olha, eu realmente não tenho tempo. Não quero ser rude com você. Manda o que você quiser por e-mail, eu respondo”. Peço para fazer uma última pergunta. É sobre se ele vai mesmo abrir um restaurante no Brasil. “Sim. Quando? Não sei. Estamos procurando um bom lugar. Mas vamos abrir no Brasil, com certeza. Achamos um parceiro ótimo. Onde? Não posso dizer agora.” Arrisco: É em São Paulo? “Aham, é uma boa ideia. Aliás é uma ideia bem possível. Será São Paulo, será possivelmente dentro de um ano e meio. Mas não sei onde exatamente. É meu primeiro passo no Brasil, estou empolgado. Sinto que as energias vão rolar, vamos ver. Se for legal, quem sabe não me envolvo mais e desenvolvo outros projetos?”

Para ler a entrevista completa, clique na foto acima.

Volto mais tarde | Ao som de Regina Spektor – Braille |

Dica de Leitura: Guga Chacra, “Entenda o Líbano Em Um Post de Blog”

Repito o que falei semana passada: adoro os posts do Gustavo Chacra sobre a terra dos meus antepassados.

Estadão
Estadão

Como ele mesmo disse, é um post de blog para explicar o Líbano. Então, para bom entendedor, meia palavra basta, né?

Deveria.

Cito:

No dia a dia, há sinais fáceis para identificar a religião de alguém. Por exemplo, o nome, a vila de onde veio ou  qual região de Beirute mora. Mesmo assim, há nomes como Fuad ou Samir que podem ser associados a qualquer religião, diferentemente de Antoine (provavelmente cristão) ou Mohammad (certamente muçulmano). Vilas algumas vezes são mistas. E nada impede um cristão de morar em uma área sunita.

As vestimentas, mesmo de mulheres, nem sempre entregam a religião. Sem dívida, uma mulher de hijab é muçulmana. Mas seria sunita e xiita? Uma com crucifixo, cristã. Mas e se estiver de jeans, camiseta e All Star, como é extremamente comum entre as jovens libanesas? Não dá para saber. Pode ser cristã, sunita, xiita ou drusa. Aliás, não caiam na bobagem de achar que xiitas são mais religiosas. Há famílias na qual uma irmã é religiosa e a outra usa biquíni e enche a cara na balada.

Normalmente, esqueci de dizer, cristãos, especialmente da classe média alta, falam francês. Entre os muçulmanos, há uma proximidade maior com o inglês. Mas isso é meio genérico e não dá para cravar nada nos dias de hoje. Normalmente, a elite é fluente nas duas línguas, enquanto as camadas mais pobres falam apenas árabe.

Belo país, cheio de particularidades. Adoro.

Para ler o texto completo (leia!), clique na figura acima.

Volto mais tarde.

Ao som de Ride – Howard Hughes

Dicas de Viagens: 58 Cafeterias Incríveis Para Conhecer nos EUA

Vi no Blog Paladar, do Estadão:

O blog Grub Street, ligado à New York Magazine, fez uma lista com “58 cafeterias extraordinárias” que merecem ser visitadas nos Estados Unidos. Além da descrição de cada uma, o site indica o que pedir em cada uma e traz um mapa com as localizações. Nova York lidera a lista, como a cidade que tem mais cafeterias imperdíveis. Ao todo, são 18. A cidade é seguida por Los Angeles, que tem cinco lugares.

É muito amor para uma reportagem só: cafeteria, viagem, bom atendimento…NYC!

É possível planejar uma ida à cidade só para conhecer esses lugares.

Sensacional!

cafeterias incriveis 1
Blog Grub Street

Olhem a descrição da primeira, por exemplo:

Amei.

Post do tipo: “salvar para a vida toda”.

PS: uma cafeteria que não entrou na lista, mas que eu amo é o OST Cafe, que já publiquei a respeito. Para ler, clique em Dicas de NYC: Ost Cafe.

Para ver a lista completa, em inglês, clique na foto acima.

Volto mais tarde | Ao som de Arctic Monkeys – Cornerstone | 

Dica de Leitura: Quem Não Bebe Não Ganha Dinheiro e Não Sobe Na Carreira

Alguns anos atrás, um amigo me disse: “Não confio em quem pede suco em um bar. Quem não bebe tem algo a esconder. Eu, em compensação, sou um livro aberto….”

Lembrei demais disso ao ler a reportagem do New York Times, Feeling the Pressure to Drink for Work.

Fonte: NYT
Fonte: NYT

Eu cheguei nessa reportagem via post do Estadão, Quem não bebe não ganha dinheiro e não sobe na carreira, diz NYT.

Cito:

Beber é essencial para ter uma carreira profissional promissora e, consequentemente, ganhar dinheiro. A afirmação é do jornal mais influente do mundo, o The New York Times, que, em reportagem publicada, afirma que quem não bebe álcool é visto com desconfiança e dificilmente consegue fechar um bom negócio.

Dizendo até que a cerveja é um dos ingredientes importantes de Obama na corrida à reeleição nos EUA, a reportagem afirma que “as pesquisas apoiam a ideia de que os que não bebem têm dificuldades para subir na hierarquia corporativa. Vários estudos demonstraram que as pessoas que bebem ganham mais dinheiro do que as que não bebem.”

E como o words of leisure é contra o politicamente correto: bora beber!

Para ler as reportagens completas, basta clicar nos títulos das mesmas, em negrito.

Volto mais tarde.

Ao som de Dido – My Life

Dica de Leitura: “O Que é Beirute?”, por Gustavo Chacra

O Gustavo Chacra esteve, recentemente, em Beirute.

As fotos que publicava no Instagram só aumentaram, exponencialmente, a minha vontade de conhecer a terra da minha família.

Estadão
Estadão

Seu texto, então…

Na parte oriental da cidade, o bairro de Ashrafyeh, coração cristão de Beirute, permanece elegante. Restaurantes como o Abdul Wahab ainda servem pratos da culinária libanesa que tanto sucesso fazem ao redor do mundo, em lugares como São Paulo e Nova York. Sempre chama a atenção a calma das igrejas de diferentes denominações cristãs. O Líbano é um oásis para o cristianismo no Oriente Médio – o outro era a Síria. O shopping ABC, mais voltado ao público local, permanece cheio com libaneses indo ao cinema.

Gemeyzah, por muitos anos o centro da vida boêmia libanesa, também na área cristã, perdeu espaço. Nada relacionado à crise na Síria. Na verdade, os frequentadores simplesmente migraram para outras regiões de Beirute, como Hamra.

O centro reconstruído de Beirute, conhecido como Solidere, sofre com a ausência de turistas do Golfo, deixando muitos restaurantes vazios e as lojas do sofisticado Beirut Suks, um shopping de marcas caras em formato de mercado árabe, com as vendas em baixa. Ali perto, Seif Village, também reconstruída, mantém suas caras e charmosas ruazinhas totalmente calmas como se fosse uma pequena vila europeia.

Para ler o restante, clique em O que é Beirute? Uma fantástica capital mediterrânea em meio a guerras e inimigos 

Volto mais tarde.

Ao som de Julieta Venegas – Vuelve

Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 60 Anos de Cassino Royale

Essa é bem legal.

Há exatos 60 anos, Ian Fleming lançava “Cassino Royale”, “o primeiro livro de uma série de 12 aventuras de James Bond.”

Bond, James Bond.

Fonte: Estado de São Paulo
Fonte: Estado de São Paulo

O motivo pelo qual ele criou o personagem?

Em entrevista publicada no Jornal da Tarde de 1966, sua viúva falou sobre o que James Bond significou para Fleming: “ Ian era um romântico.Bond lhe permitiu, financeiramente, escapar ao tédio e à monotonia e conhecer um mundo de sonho. Ele não podia suportar a ideia de entrar à noite numa casa ‘com cheiro de cozinha e de crianças’. Ele detestava os carrinhos de bebês e a rotina diária de um casal.”

Adorei.

Para ler a reportagem completa do Estadão, clique aqui.

Volto mais tarde.

Ao som de Arctic Monkeys – Dancing Shoes

Na Minha Estante: Ricardo Lísias, “O Céu Dos Suicidas”

O Ricardo Lísias já foi “alvo” de quatro posts aqui no words of leisure:

Dicas de Leituras: Divórcio (o meu favorito, entre esses)

Dicas de Leitura: A Corrida

Dicas de Leituras: Carta ao Governador

Review – Livros: Granta e “Os Melhores Jovens Escritores Brasileiros”

Foi justamente a leitura de todos esses que me fez, na minha última visita à São Paulo, sair da incrível Livraria Cultura com O Céu dos Suicidas nas mãos. Afinal, já era fã do cara por conta da Revista piauí.

ricardo-lisias

Continuar lendo “Na Minha Estante: Ricardo Lísias, “O Céu Dos Suicidas””

Hoje..Algum Tempo Atrás: Please Please Me, 50 anos!

Posso correr atrás de bandas novas, ouvir tudo que há de bom no mundo.

Mas as voltas sempre acabam neles: The Beatles.

Há exatos 50 anos atrás era lançado o primeiro álbum da banda! O início da revolução cultural liderada por eles.

please_p

Como disse o Radar Pop, do Estadão:

“Hoje é um dia especial para o rock. Em 22 de março de 1963, o princípio de uma revolução cultural chegava às lojas britânicas: Please Please Me, álbum de estreia dos Beatles.

Reza a lenda que John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr gravaram o trabalho em apenas 12 horas. Foi feito às pressas para catalisar o sucesso dos singles Please Please Me Love Me Do, que já indicavam o que estava por vir.”

Vale a pena ver os dois links abaixo, da Rolling Stone:

50 anos de Please Please Me, dos Beatles: faixa-a-faixa

“Boys”
Esta faixa acelerada, escrita por Luther Dixon e Wes Farrell, foi gravada originalmente pelo grupo feminino The Shirelles. Ringo ficou com os vocais e logo a canção se tornou uma de suas marcas registradas nos shows dos Beatles.

50 anos do disco que mudou Liverpool (e o mundo)

O rio Mersey divide a cidade em duas metades, que se comunicam pelo ferryboat do Pier Head, onde se elevam as altas, e agora centenárias, torres do Royal Liver Building. São famosas porque no topo se destacam dois pássaros de cimento, conhecidos como os liverbirds, emblemas da cidade desde 1207, data na qual o rei John I autorizou sua construção. Roger, um desempregado que encontrei na discoteca El Alma de Cuba, ambientada em uma antiga igreja, me diz que Ringo Starr queria que o grupo se chamasse The Liverbirds. Conta-se que John Lennon teria vetado a ideia porque os integrantes da banda eram mais do que dois.

(…)

Em 1963, quando gravaram na sede de EMI, em Abbey Road, os Beatles tocaram durante incansáveis 585 minutos para deixar prontas as 10 músicas novas que integraram o lançamento. Quatro das faixas não precisaram ser gravadas, pois tinham aparecido em dois singles anteriores (“Ask Me Why”, “Love Me Do”, “P.S. I Love You” e “Please Please Me”). Oito delas foram compostas pela dupla John Lennon e Paul McCartney. A imprensa, anos depois, qualificou essa empreitada como uma maratona digna de grandes astros. E foi mesmo. Toda essa informação pode ser confirmada no número 10 da Mathew Street: sim, no famoso The Cavern. Mas aqui é covardia. Eu não poderia deixar de voltar a visitá-lo. Ali, todo o ar que se respira cheira a Beatles. Não serve como amostra, inclusive porque aqui os “liverpudlians” pouco pisam – apenas aqueles que vêm para paquerar turistas.

Na minha opinião, a banda se torna a minha favorita a partir do Rubber Soul. Mas tudo que foi feito antes tem fundamental importância para o que vieram a fazer depois. Então:

God bless Please Please Me!

Volto mais tarde.

Ao som de The Beatles – Please Please Me

Hoje…Algum Tempo Atrás: O Falecimento do Zacarias

Há 23 anos atrás falecia o Zacarias. O Mauro Faccio Gonçalves.

Quando pequena, era o que eu mais gostava.

Fonte: Estadão
Fonte: Estadão

A reportagem abaixo, do Estadão, fala sobre o nascimento dele. Mas também diz respeito ao memorial de sua vida que deve ser criado na vizinha Sete Lagoas.

Sou super a favor.

TRAPALHÕES: Zacarias faria 79 anos hoje e deve ganhar museu em MG 

Volto mais tarde.

Ao som de The Cardigans – Godspell

Séries de TV: Mais de Girls

Escrevi sobre Girls alguns dias atrás.

No domingo, ela recebeu bons prêmios no Globo de Ouro.

golden-globes-girls

Sempre recomendo posts do Gustavo Chacra ligados às Relações Internacionais.

Mas ontem, ele escreveu no Estadão sobre a série.

TV* SONHOS E REALIDADE

Não concordo muito com o lado de criticar Sex and The City para exaltar as meninas, mas ainda assim, vale ler.

“Para muitas mulheres jovens de todo o planeta, morar em Nova York era o sonho de ter uma vida parecida com a de Carrie Bradshaw, de Sex and The City. Ao desembarcar na cidade, porém, a realidade delas acaba mais próxima da de Hannah, a personagem interpretada por Lena Dunham, diretora, roteirista e criadora da revolucionária Girls, da HBO, que deu a ela o prêmio de melhor atriz e melhor série no Globo de Ouro.”

Volto mais tarde | Ao som de Dido – Slide |

TED Talks: Israel e Irã, Uma História De Amor?

Do site do TED:

“Quando uma guerra entre Israel e Irã parecia iminente, o designer gráfico Ronny Edry compartilhou um poster dele mesmo com sua filha no Facebook, com uma mensagem audaciosa: “Iranianos… nós [coração] vocês.” Outros israelenses rapidamente criaram seus próprios posteres com a mesma mensagem — e iranianos responderam amistosamente. O simples ato de comunicação inspirou surpreendentes comunidades no Facebook como “Israel ama Irã”, “Irã ama Israel” e até “Palestina ama Israel”.”

Legal, né?

Vi esse TED via blog do Gustavo Chacra. Ele escreveu:

“O Irã é inimigo de Israel e vice-versa. Mas iranianos e israelenses não necessariamente se odeiam. Para terminar 2013, recomendo este ótimo vídeo do TED Talks para entender que pessoas em Teerã e Tel Aviv podem ser amigos e não se matarem. Esta é uma guerra que dá evitar. Pena que não podemos dizer o mesmo dos sírios.”

E o poder das redes sociais?

Volto mais tarde.

Ao som de Joss Stone – Less is More

Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 25 Anos da Morte de Henfil

Há exatos 25 anos, o Brasil perdia uma de suas mentes mais inteligentes.

No dia 06/01/1988, vários cartunistas o homenagearam em suas tirinhas, aqui retiradas do Acervo do Jornal Estado de São Paulo.

Sensacional!Fonte: Estadão
Sensacional!
Fonte: Estadão

Este Acervo reuniu várias reportagens, com tudo que foi publicado sobre ele no Jornal.

Para acessar, clique aqui.

“Suas tirinhas sarcásticas, críticas e de humor deliciosamente impróprio, desafiaram a censura do regime militar. Seus personagens diziam o que os cidadãos por medo calavam.”

Muito legal, vale a pena dar uma olhada.

O Catraca Livre também o homenageou. Clique aqui para ver.

Volto mais tarde.

Ao som de Cat Power – Ruin

R.I.P.: Ravi Shankar

Que descanse em muita paz!

George Harrison, right, and Ravi Shankar

Como se não bastasse a sua importância para a música indiana, pelo que fez pelos Beatles, ainda foi o responsável por trazer ao mundo a Norah Jones.

Tem gente que realmente faz da sua passagem pela Terra algo útil, né?

Repito:

Que descanse em muita paz!

“Ravi Shankar, o mestre da cítara responsável pela popularização da música clássica indiana no Ocidente, morreu nesta terça-feira, 11, aos 92 anos, em um hospital, em San Diego, Califórnia. De acordo com familiares, o músico sofria de problemas respiratórios e havia feito cirurgia para substituir uma válvula cardíaca. “Infelizmente, apesar do esforço de cirurgiões e médicos, seu corpo não aguentou. Estávamos ao seu lado quando morreu”, disseram, à Reuters, sua mulher, Sukanya e sua filha, Anoushka. 

O músico morava na Índia e nos EUA, e além de Anoushka, com quem tocava, era pai da cantora Norah Jones, que faria turnê pelo País esta semana, mas cancelou shows em Porto Alegre, São Paulo e Rio. Nesta quarta-feira, 12, em nota à imprensa, a cantora pediu desculpas aos fãs.”

Reportagem completa aqui.

Volto mais tarde.

Ao som de U2 – Exit

Música: Os Piratas Consomem Mais, Legalmente

Muito interessante a reportagem publicada no Link, blog do Estadão, que mostra como que pessoas que fazem muito download ilegal  são, ao mesmo tempo, as que mais compram música legalmente.

Na minha opinião, faz sentido.

“Mais um estudo comprova: quem baixa mais arquivos ilegalmente via P2P também gasta 30% mais dinheiro. Os piratas podem ser os melhores amigos da indústria cultural. Quem compartilha arquivos em redes P2P compra, em média, 30% mais música do que as pessoas que não usam ferramentas de trocas de arquivos. O dado vem de um estudo da American Assembly, centro afiliado à Universidade Columbia, nos Estados Unidos. Os pesquisadores analisaram hábitos de consumo de 2,3 mil pessoas maiores de 18 anos nos Estados Unidos e na Alemanha. A primeira evidência: as pessoas que confessaram baixar arquivos via P2P tinham uma coleção musical maior do que as outras. Nos Estados Unidos, essas pessoas têm 37% mais músicas do que as que não usam P2P. E grande parte dessa coleção, na verdade, foi adquirida legalmente.”

Legal.

Fonte: Link.

Volto mais tarde | Ao som de No Doubt – Push and Shove |