Dica de Podcast: Presidente da Semana

Meu último post foi sobre procrastinação.

Já este, eu queria ter escrito desde julho, se não me falha a memória.

É a vida…

presidente-da-semana.jpg

Acho que, antes de começar a minha dica, vale falar o que é um podcast, aos que não conhecem.

Tiro a definição do Viver de Blog:

Podcasts são programas de áudio (podem ser de vídeo também), distribuídos através de um feed RSS, que permite que o usuário ouça o conteúdo online.

Ou seja, o download vai sendo feito conforme você escuta, mas também pode ser baixado no formato MP3 ou algo do gênero para o aparelho de sua escolha, como um computador, celular ou tocador de MP3.

O termo podcast surgiu por causa do iPod, após a descoberta de como transferir esses arquivos de áudio disponíveis apenas em RSS para o iTunes.

Especificamente, o Presidente da Semana foi uma série da Folha de São Paulo criada e produzida pelo jornalista Rodrigo Vizeu, com edição de som do Victor Parolim. A ideia foi abertamente copiada do The Washington Post, quando da eleição presidencial nos EUA em 2016, apresentou episódios semanais que falaram sobre cada um dos presidentes americanos, desde George Washington até Donald Trump, que teve seu episódio lançado uma semana após sua eleição.

A ideia da Folha é a mesma: de Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Prudente de Moraes, até FHC, Lula, Dilma, Temer…E, o último episódio foi ao ar na semana seguinte do segundo turno e foi dedicado, obviamente, ao Jair Bolsonaro.

deodoro da fonseca
Deodoro da Fonseca

Eu me considero uma pessoa que ama História e tenho muito interesse no assunto. Ainda assim, meu conhecimento sobre os Presidentes do Brasil é raso e acabou sendo estimulado com o podcast. O que acho mais válido é nos mostrar como sabemos tão pouco da história do nosso País.

Não que eu assuma que tudo apresentado ali seja uma verdade absoluta mas, pra mim, o grande mérito do programa foi atrair a minha curiosidade para muitos fatos que eu nunca sequer tinha ouvido falar.

Claro que toda a minha ignorância vai diminuindo ao sair da República Velha e fica mais possível criticar certas posturas do apresentador e seus convidados quando começam os episódios de presidentes que conheço mais. Na realidade, tive meus momentos de discordância até em episódios dos que não conhecia muito.

Foi possível, também, perceber o posicionamento político do Rodrigo Vizeu. Como, por exemplo, no caso de um comentário horroroso (no meu ponto de vista), que ele fez no episódio sobre o Venceslau Brás (vocês terão que ouvir para saber hehehe).

Pois bem, estou aqui para sugerir um Podcast que tenho lá minhas críticas. Mas como estou seriamente cansada do atual estado que nos encontramos, que se você discorda de algo, elimina essa coisa por completo, vou recomendar. Mesmo com os meus “poréns”.

São discordâncias normais que não me impedem de fazer esse post. Continuo achando a ideia do programa muito boa e penso que ele vale ser escutado, mesmo com as eleições já tendo acabado. Afinal, seu tópico acaba por ser atemporal.

Pra mim, vale muito ouvir e ganhar conhecimento sobre a nossa própria história, mesmo assumindo a posição de criticar o que é dito ali.

Então, finalmente, deixo aqui o link do podcast na Folha, aonde é possível ter acesso aos links para escutar cada um dos episódios Eu, particularmente, o faço pelo podcast da Apple, mas tem como fazer pelo Spotify, Soundcloud, entre outros.

Ouça todos os episódios disponíveis do podcast Presidente da Semana, sobre os presidentes do Brasil

Lá, é possível ouvir todos os episódios na própria página ou acessar links para Spotify, Apple Podcasts, entre outros.

Assim, fica a dica.

E escutem podcasts! É muito massa!

Depois, farei mais posts sobre outros que escuto.

Volto mais tarde | Ao som de Garbage – You Look So Fine |

Anúncios

Dica de Leitura: As selfies nos vestiários das academias

Um post recente que fez sucesso aqui no blog foi o Dica de Leitura: “Socorro! Eu não nasci para ser fitness!”

Uma galera se identificou.

Penso que o mesmo acontecerá com o:

selfievestiario

Ele não trata somente das selfies, não. É sobre mau comportamento nas academias, em geral.

Publicado na Folha e escrito pelo Rodolfo Lucena, é uma leitura divertidazinha.

Fica a dica.

Para acessar, clique na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Noel Gallagher’s High Flying Birds – The Mexican |

Dica de Leitura: “Dores de Rodoviária: Mãe e o Dia de Ir Embora”, Por Xico Sá

Alguns amigos compartilharam este texto no Facebook, no Dia Das Mães.

Não consegui ler naquele momentos, salvei o link no meu Pocket e acabei me esquecendo totalmente dele.

Pois bem, li ontem e não poderia deixar de colocar aqui…

Dores de Rodo-XicoSa

…afinal, como sempre falamos, todos os dias são Dia Das Mães, né?

Texto mais querido, claro que me emocionei.

Eis que recentemente me contaste como foi duro, que tudo não passava de um jeito para não fazer que eu desistisse de ganhar a rodagem. Aí me lembrei de uma sabedoria que citava nas cartas e bilhetes, quando eu esmorecia um pouco na sobrevivência da cidade grande: “Saudade não bota panela no fogo”. E ainda reforçava: “Saudade não cozinha feijão, coragem, filho, coragem”.

Em nome das mães de todos os meninos e meninas que partiram, dona Maria do Socorro, quero te deixar beijos e flores.

Oh lindeza…

Para ler o restante, clique na foto acima.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Animal Heart |

Dica de Leitura: Xico Sá, “Saiba Quando Um Homem Quer Uma Mulher”

Aos rapazes leitores do words of leisure, fica a pergunta:

xicosa

Ele te leva em um restaurante japonês mesmo odiando um restaurante em que a comida vem crua e o guardanapo pegando fogo –atribuem esta definição da culinária oriental ao Veríssimo, pode ser, duvido, digo, não lembro, o genial LFV é a maior vítima da autoria troncha na Internet.

É isso mesmo?

Para ler o texto completo do Xico Sá, basta clicar na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Joss Stone – Dirty Man |

Dicas de Leituras: Xico Sá, “Sem imperfeição não há tesão”

Que delícia o texto publicado pelo Xico Sá na Folha, no dia 08/10.

xicosa

(…) fica o mantra, pela milésima vez, à guisa de educação sentimental aos moços, pobres moços: homem que é homem não sabe, nem procura saber, a diferença entre estria e celulite.

Rá. Adorei.

Para ler o texto completo, clique na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Sharon Corr – Thinking About You |

Dica de Leitura: A Dor e a Delícia de Morar Sozinho

Morar sozinha é muito sonho.

xicosa

Curti o texto do Xico Sá para a FSP:

Somos quase 7 milhões de solitários. E como sempre repito aqui mesmo: é o domingo que pega. Dói no osso como uma bala alojada na perna em noites de inverno.

O domingo humilha, mas voltemos à frieza das estatísticas:

O contingente de pessoas morando sozinhas subiu, nos últimos dez anos, 8,6% para 12,1% da população.

Reparo nas estatísticas e me sobe logo ao nariz o cheiro do miojo do desprezo.

Mas isso não significa, amigo(a), obrigatoriamente o que sugerem os números.

Para ler o restante, clique na figura.

Volto mais tarde.

Ao som de No Doubt – New

Séries de TV: Seinfeld e o Maps About Nothing

Que projeto sensacional feito pelos fãs de Seinfeld!!

Maps About Nothing (Mapas Sobre o Nada) é um blog criado com todas as referências geográficas feitas pelos personagens durante os anos de exibição da série (1989 – 1998)….a melhor de todos os tempos.

Clique aqui para entrar no Maps About Nothing
Clique aqui para entrar no Maps About Nothing

Descobri em uma matéria da Folha de São Paulo, que diz:

Há os lugares que todos esperavam, como o apartamento de Jerry Seinfeld, o café Monk’s, onde os personagens sempre se reuniam, ou a sede do time de beisebol New York Yankees, para o qual o personagem George Costanza chegou a trabalhar.

Mas há também lugares inesperados, como a Argentina, país para o qual o “nazista da sopa”, um dos vilões de “Seinfeld”, se mudou após seu restaurante ser fechado –uma piada com o fato de diversos oficiais nazistas terem imigrado para terras argentinas depois do fim da Segunda Guerra Mundial.

Increíble!

Volto mais tarde.

Ao som de R.E.M. – Auctioneer (Another Engine)

Dica de Leitura: Não Teremos Sempre Paris

Eu realmente não consigo me livrar de Jesse e Celine.

Nem quero.

antesdameianoite_2

Sempre apaixonada pela sequência Antes do Amanhecer/Antes do Por-do-Sol/ Antes da Meia Noite e ainda na secura de ver novamente o terceiro, recomendo a leitura do texto Não teremos sempre Paris

Mas seria injusto condenarmos Jesse e Céline como se fosse possível ter sempre Viena e Paris. Até porque existe alguma beleza nas ruínas. Não porque as ruínas são a expressão tangível do que se teve e perdeu. Mas porque elas são a expressão tangível do que sobreviveu.

Vinte anos depois, Jesse e Céline são dois sobreviventes. Juntos, apesar de tudo. E, por entre as tristezas momentâneas, há um sol de fim de tarde onde é possível vislumbrar, e até escutar, a perfeita sintonia que começou lá atrás, em Viena, quando todos viajávamos estupidamente livres e felizes.

Nhom!!!

Escrito por João Pereira Coutinho para a Folha de São Paulo.

Volto mais tarde.

Ao som de Kath Bloom – Come Here

Na Estante: 50 Anos da Mônica

A baixinha, dentuça, gorducha, está fazendo 50 anos!

Incrível, incrível.

mauriciodesouza

Tirado da Folha de São Paulo:

“Mônica nasceu em uma tirinha do Cebolinha publicada na Folha em 1963. A partir daí, ganhou gibi, desenho animado e até uma versão adolescente.”

Volto mais tarde | Ao som de The Thrills – I Came All This Way |

Teste: Qual o Seu Grau de Felicidade no Trabalho

Cito reportagem da Folha de São Paulo:

iopener

“O instituto iOpener, que desenvolve soluções para a área de recursos humanos das empresas, desenvolveu um teste gratuito que ajuda os internautas a descobrirem se estão felizes no trabalho.

O internauta responde um questionário on-line. Para dar o “diagnóstico”, o portal considera o país em que o profissional atua, se a pessoa tem um cargo de chefia e quantas pessoas estão sobre a sua responsabilidade, a extensão da jornada de trabalho, quanto tempo a pessoa espera ficar na organização e se os chefes levam em conta a opinião do trabalhador, entre outros quesitos.

No final do teste, o site informa qual é a pontuação que o profissional atingiu para convicção sobre o trabalho, autoconfiança, como a pessoa se sente sobre o trabalho que realiza e o grau de adequação que o profissional julga que tem naquela vaga.

O Instituto (sic) também compara sua pontuação com a de outras pessoas que responderam ao teste. Os resultados são confidenciais.”

Para fazer o teste, em inglês, clique aqui.

Para a reportagem da Folha, clique aqui.

Eu, particularmente, gostei e concordei com o meu resultado.

PS: Adorei o nome do Instituto.

Volto mais tarde | Ao som de Bon Jovi – Never Say Goodbye |

Redes Sociais: Os Assuntos Mais Comentados no Facebook

Ontem, o Facebook liberou quais foram os assuntos, músicas e locais mais populares na rede social, entre nós brasileiros.

Vocês viram?

Fonte: FSP
Fonte: FSP

Adorei ver o Arthur Zanetti ali no meio, entre os assuntos mais populares.

Viram os outros?

Continuar lendo “Redes Sociais: Os Assuntos Mais Comentados no Facebook”

Dica de Saúde: Para Uma Melhor Qualidade do Sono

Viram o estudo que saiu que afirma que dormir acompanhado reduz a qualidade do sono?

Pois bem, vejam a ilustração feita pela Folha de São Paulo com forma de se reduzir os danos:

Fonte: Folha de São Paulo

Resta acatar ou não.

Volto mais tarde | Ao som de Ocean Colour Scene – Giving It All Away  |

wol: Entrevista Para a Folha de São Paulo

Pois é, pessoal, dei a minha primeira entrevista na vida.

83% dos usuários brasileiros ficam alterados se esquecem o celular em casa

Clique aqui para ler

Quem acompanha o blog já deve ter percebido meu leve vício com tecnologia. A única diferença é que eu acho que a Folha tem mais audiência que o words of leisure, né? Só acho.

Deixo aqui meu imenso agradecimento à Fernanda Nasser, pelas fotos!

Volto mais tarde | Ao som de Garbage – Androgyny |

SalvarSalvar

Internet: A Moda de Blogs Sobre…Moda

Quase toda semana eu escuto a pergunta: “Viviane, você ganha dinheiro com o words of leisure?”. Minha resposta é negativa, mas não sou hipócrita de falar que não gostaria que isso acontecesse.

Muitas das pessoas que me questionam costumam ter em mente as meninas que estão ganhando muito, mas muito dinheiro mesmo, com blogs relacionados à moda.

Alguns, eu acho que são péssimos, mas outros são muito bons e bem profissionais.

De todos, o que é o melhor disparado é o Petiscos, da Julia Petit. Na minha opinião, óbvio. Outro excelente é o Dia de Beauté, da Victoria Ceridono.

Fonte: youpix.com.br

Continuar lendo “Internet: A Moda de Blogs Sobre…Moda”

Esportes: Até Que Ponto Vale a Pena?

Dois dias atrás, o texto do Fabiano Maisonnave rodou a internet: “Chineses questionam sua “máquina de medalhas”

Imagens como essa abaixo levam ao óbvio questionamento: até que ponto vale a luta por medalhas?

Fonte: Folha de São Paulo

Minutos após receber a medalha do ouro olímpico, o pai da atleta de salto sincronizado Wu Minxia lhe contou que sua mãe está com câncer de mama e que seus avós maternos haviam morrido há mais de um ano. “Aceitamos há muito tempo que ela não nos pertence”, justificou o pai. “Nem sequer ouso pensar em coisas como desfrutar a felicidade familiar.”

Com a medalha de prata no peito, o levantador de peso Wu Jingbiao disse, desconsolado, a um repórter: “Eu desonrei o meu país, eu desonrei o time nacional de levantamento de peso, eu desonrei todos os que se importam comigo”.

Concordo com o Rodrigo Constantino, no Facebook:

Quais os limites éticos para a vitória? Ela compensa sempre, custe o que custar? O CAMINHO percorrido até o sucesso é ao menos tão importante quanto ele. Os fins nobres não devem justificar os meios torpes. Infelizmente, muitos esportes (e negócios) estão deixando de ser um desafio para a superação individual ou de grupo e se tornando algo completamente diferente. Precisamos refletir sobre isso…

Sim, vale a reflexão.

Volto mais tarde | Ao som de The Charlatans – Patrol |

Brasil: O País e o Empreendedorismo, Parte 2

Em que estágio está a inovação no nosso país?

De acordo com a The Economist, “inovação no Brasil é sinônimo de “tropicalização”, ou seja, “a prática de financiar startups que pegam um modelo de negócios estabelecido e o adaptam a um mercado emergente”. Para a revista, é o que a atual “inundação” de fundos de “venture capital” (capital semente) do Vale do Silício busca por aqui.”.

Fonte: Blog do Nelson Sá

O texto supracitado eu tirei do post Inovação no Brasil, por enquanto, é sinônimo de “tropicalização”, de adaptação, de clone, feito pelo Nelson de Sá.

Está na hora de passos mais ambiciosos serem dados.

Volto mais tarde | Ao som de Patti Smith – People Have The Power |

Redes Sociais: O Bom e Velho Networking

Muito bom o texto feito pelo New York Times, que a Folha de São Paulo traduziu, sobre o processo de criação do Instagram.

O argumento é que, no final das contas, o que vale é o bom e velho networking. As relações que construímos no caminho são as que pesam na hora de construir um negócio, sendo ele na Internet ou não.

Por trás do Instagram está o ‘networking’ à moda antiga 

Volto mais tarde.

Ao som de Interpol – Mammoth