Esportes: O Futuro do Brasil na Fórmula 1

Com a eminente aposentadoria de Rubens Barrichello, a péssima fase vivida pelo Felipe Massa e os investimentos ridículos em novos pilotos, as perspectivas de futuro do Brasil na Fórmula 1 são pra lá de desanimadoras.

flaviogomes

É o que demonstra o Flavio Gomes, na sua coluna “3, 2, 1“. Vale a pena ler, para quem gosta do esporte.

Volto mais tarde | Ao som de Incubus – Here In My Room  |

Esportes: A Briga Na Seleção Masculina De Vôlei

Quando escrevi no “O lado negro do futebol” que este não era o meu esporte favorito, algumas pessoas me perguntaram: “Não é? Então qual é?”.

Vôlei, claro! Sonhei ser jogadora por um bocado de tempo, mas a falta de talento e de altura tornou a questão pra lá de impossível.

Confusão com o Giba não, Bernardo!

Apesar de que hoje a modalidade não ocupa 16 horas do meu dia, como já foi há um tempo, continuo torcedora fervorosa (não exatamente fiel) da Seleção (feminina e masculina) e dos times do Minas (idem). Quando recebi, ontem, o e-mail de uma grande amiga (que fiz por conta do vôlei) fiquei bem impressionada. Não tinha nem noção dos rachas que o Bruno Voloch conta em seu blog.

Quando ocorreu a briga entre o Bernardinho e o Ricardinho, eu entendi o lado do primeiro porque nunca achei que o levantador era uma pessoa fácil, muito pelo contrário. O cara é um gênio, um levantador sensacional, um dos melhores da história, e, por isso mesmo, de personalidade bem complicada. Eu me lembro muito bem da minha reação na época: queria ver qual seria o posicionamento do Giba, que era grande amigo do Ricardo. Quando vi que ele ficou ao lado do Bernardo, a história teve seu desfecho pra mim.

Mas agora, ver que um dos problemas é justamente com o Giba… aí complicou. Sempre fui muito fã dele, desde quando começou a ter destaque. E o apreço aumentou ainda mais no ano passado, durante o Mundial, que ele não somente ficou no banco do Murilo e do Dante, mas deu apoio, incentivava os colegas de equipe. Achei a postura digna de um cara que sabe que é ídolo. Nessa, acho bem difícil entender o lado do Bernardo, viu? Mesmo sendo este, um dos maiores técnicos da história, independente de modalidade ou nacionalidade.

Já em relação ao Bruninho, eu concordo com o Voloch: é fraquinho. Muito bom pra time que joga a Superliga, tem condições de brigar por vaga na Seleção. Mas titular absoluto? Nunca! O Marlon, mesmo estando bem longe do Ricardinho, do Maurício, até mesmo do Marcelinho, é bem melhor que ele.

De qualquer forma, espero que a situação seja resolvida, ao menos até a Olimpíada. Que seja uma solução melhor que a que o Giba teria confidenciado a amigos, e que eu cito do blog: “O jogador teria confidenciado aos amigos mais próximos que iria ‘aturar’ Bernardinho por causa da Olimpíada de Londres, objetivo principal do atleta. Giba quer encerrar sua história na seleção brasileira em 2012, nos jogos olímpicos.” Tem que ficar melhor que isso! Pelo bem do esporte!

Ah, não tem idéia do que seriam os posts do Bruno Voloch sobre os rachas na Seleção? Clique aqui e aqui!

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Sabbath Bloody Sabbath |

Esportes: Brasil Campeão Mundial de Vôlei de Praia

Neste exato momento, (16:15), o Brasil joga a final de vôlei de praia masculino, contra o Brasil. Ricardo e Márcio contra Emanuel e Alison. Bacana demais ter o país campeão, independente do resultado! Então, como a situação já está mais ou menos consumada, a tensão ficou toda para a final feminina.

Juliana e Larissa, campeãs mundiais. Fonte: Sportv

Continuar lendo “Esportes: Brasil Campeão Mundial de Vôlei de Praia”

Esportes: Quando Se Ignora O Que Acontece No Bahrein

Ontem a FIA anunciou que o GP do Bahrein acontecerá no final deste ano. Um verdadeiro absurdo cometido pela entidade, que “parece” estar alheia aos eventos que têm acontecido naquela região do mundo, nos últimos tempos.

Os valores das ditaduras e dos petrodólares....

Continuar lendo “Esportes: Quando Se Ignora O Que Acontece No Bahrein”

Esportes: Fernanda Venturini e a Volta De Um Ídolo!

E não é que, durante a semana, eu me deparo com a (excelente) notícia da volta da Fernanda Venturini ao vôlei nacional!

O que é essa camisa 1? Aonde está a 14?!?

Quem me conheceu na época em que esse esporte tomava algo em torno de 90% da minha vida, sabe o tanto que eu era (sou) fã dela. Assim, fiquei triste com todos os anúncios de aposentadoria e feliz com todos os seus retornos.

 A Fernanda foi o meu primeiro ídolo do tipo “faz parecer que o esporte praticado é a coisa mais fácil e natural do mundo”! Depois dela vieram pessoas como Roger Federer, Giba entre outros.

Como o meu sonho era ser jogadora e, especificamente, levantadora, a eterna dona da camisa 14 da Seleção era a minha grande referência. Pena que o meu talento era totalmente inverso ao dela!

Ver a Fernanda jogar era uma aula de técnica, precisão e inteligência dentro de quadra. Raça, garra ficavam por conta da Ana Moser, Hilma, Márcia Fu, entre outras. Já a levantadora era a que, no meio de um rali insano, colocava a bola “de segunda” no fundo da quadra adversária, deixando o outro time todo parado vendo a bola cair. Um colírio para os olhos de admiradores de um jogo incrivelmente bem executado.

Ver a Fernanda jogar era ter raiva quando as atacantes erravam com um bloqueio absolutamente quebrado após um levantamento perfeito. Ou então, quando acertavam,  perceber que levavam todo o mérito pelos narradores da tv. Bobinhos.

Ver a Fernanda jogar era ficar frustrada por ela ter jogado apenas uma temporada no Minas Tênis Clube, no início da década de 90. O que mais me impressionava, quando eu ia aos jogos na Rua da Bahia, era o quanto ela jogava ainda melhor quando a torcida a provocava. As pessoas não percebiam que ofendê-la era diminuir em 10000000% as chances do Minas vencer a partida. Um verdadeiro tiro no pé. Algo que me frustrava como torcedora do clube, mas que me deixava louca, como fã da moça.

Aos 40 anos de idade, teremos que ver para saber o quanto o tempo parado terá afetado o seu jogo. Afinal, o próprio Bernardinho disse que ela terá que correr muito em quadra, já que as ponteiras do time do Rio não são exímias passadoras. Mas o talento dela é tão absurdo que eu acredito fortemente que os levantamentos continuarão saindo perfeitos de suas mãos, mesmo com passes ruins.

O que eu sei, com certeza, é que os mais novos ganharão, e muito, em ver a melhor levantadora de todos os tempos.

Bem vinda de volta!

Ps: a única coisa que eu detestei foi o fato de que ela vai jogar com a camisa 1, como no início da carreira. Ela eternizou a camisa 14. Podem reparar quantas levantadoras jogam com a 14! É por conta dela. Bola fora!

Volto mais tarde | Ao som de Paul McCartney – Tug of War |

Esportes: O Futuro De Rubens Barrichello

Quem gosta de Fórmula 1 tem acompanhado, com tensão, a crise que envolve a equipe Williams, e como esta tem levado a sérios questionamentos envolvendo o futuro do Rubinho Barrichello, na categoria.

Barrichello na Brawn GP

Eu nunca fui a maior crítica dele. Não acho que ele é péssimo (não mesmo!), lento, ou o pior piloto de todos os tempos.

Tampouco sou sua maior fã. Acho que o Barrichello é um piloto muito bom, que sabe acertar um carro como poucos. Mas que não soube aproveitar boas oportunidades que lhe foram dadas, principalmente na Brawn GP.

O Flávio Gomes (este sim, eu sou muito fã) publicou uma ótima coluna sobre o rapaz no Grande Prêmio. Sem ufanismo ou crítica ferrenha. Link aqui.

Volto mais tarde | Ao som de Los Hermanos – O Vencedor |