Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 20 Anos Sem o Senna

Eu não considero o Senna um herói nacional. Inclusive, penso que se tivesse de fato acompanhado o Piquet – era muito projeto de gente naquela época – eu estaria no grupo que é muito mais fã deste que daquele.

Mas acho, óbvio, que o Senna foi um p… piloto (#malsaemãe), que me deu muitas alegrias aos domingos. Um piloto como defeitos e virtudes. O piloto completo, o cara do foco, do trabalho e mérito. Coisas tão deixadas de lado hoje em dia.

Foi ele que me fez gostar de F1 e, como uma amante dos esportes, fica aqui a homenagem.

Assim como ontem, compartilho o trabalho do super talentoso Bruno Mantovani e seus Pilotoons.

senna83_F3

Com o texto:

Em 1983, Ayrton Senna busca o último passo antes da F1, disputando a F3 Inglesa. Senna conquistou o título britânico de Fórmula 3 e em
20 provas disputadas conseguiu 12 vitórias e 2 segundos lugares, além de 15 Pole-positons, 13 Melhores voltas.

Em 1983, Ayrton Senna busca o último passo antes da F1, disputando a F3 Inglesa. Senna conquistou o título britânico de Fórmula 3 e em20 provas disputadas conseguiu 12 vitórias e 2 segundos lugares, além de 15 Pole-positons, 13 Melhores voltas.

Não era herói, não era bonzinho. Mas era fodão.

E sobre aquele triste final de semana, outra homenagem, que vi no Facebook.

roland-ayrton

PS: Post dedicado aos amigos que fiz por conta da F1…

Volto mais tarde | Ao som de Cake – Jolene |

Hoje…Algum Tempo Atrás: 20 Anos da Morte de Roland Ratzenberger

Por conta do que aconteceu no dia de Amanhã…Há 20 Anos Atrás, há quem não se lembre do que aconteceu Hoje…Há 20 Anos Atrás.

roland ratzenberger

 

Compartilho aqui a homenagem do Pilotoons.

Reportagem – sensacional, diga-se de passagem – da Revista Warm Up:

Os outros 20 anos – o gêmeo desigual 

E da CNN:

Formula 1’s forgotten man: 20 years on from the death of Roland Ratzenberger 

Volto mais tarde | Ao som de Coldplay – 42 |

Esportes: A Bacanuda Homenagem Da Honda Ao Senna

Muito bacana a homenagem feita pela Honda – que volta a F-1 após alguns anos fora – ao Ayrton Senna.

Para entender, texto do Grande Prêmio:

Aproveitando a repercussão do retorno da fabricante à F1 em nova parceria com a McLaren, que se inicia em 2015, a marca espalhou amplificadores pelo traçado do circuito no qual o brasileiro definiu seus três títulos mundiais.

No áudio, nos raios de luz e nos ouvidos do público nas arquibancadas, o som que se ouve é o do McLaren-Honda MP4/5 “tocado” por Senna.

Muito bacana.

Volto mais tarde.

Ao som de Blur – Chemical World

Esportes: Felipe Nasr e a GP2

Acabo de ler um post sobre O primeiro treino de Felipe Nasr na GP2, do blog World of Motorsport.

Não sabe quem é Felipe Nasr?

Ele é, nada mais, nada menos, que a única esperança do automobilismo brasileiro no curto e médio prazo.

Afundada em corrupção e má gestão, eu credito na conta da Confederação Brasileira de Automobilismo a falta de pilotos para seguir honrando o nome do Brasil no topo do automobilismo mundial, construído por monstros como Fittipaldi, Piquet, Senna.

E já que o Massa parece que não vai fazer mais nada e ainda não podemos afirmar muito sobre o Senna sobrinho, a perspectiva é absolutamente deprimente, visto não há mais categorias de bases por aqui. Aonde os talentos serão revelados?

O Nasr é bom, muito bom. Mas o problema é sempre o mesmo, que eu cito do blog do Flávio Gomes:

“Nasr mostrou muita competência na F-BMW e na F-3 Inglesa. E passou a ser, agora, a única aposta brasileira para o futuro na F-1.

Esse é o problema.

Quando se fala em aposta ufano-nacionalista, se fala em TV Globo, sempre ela. Todos devem ter notado que o acerto de Nasr com a Dams recebeu destaque incomum no “Jornal Nacional”. Nem é preciso conhecer demais o telejornal global para saber que piloto brasileiro acertando com uma equipe de GP2 não é notícia. Nenhum dos que passaram pela categoria no passado recente teve tal privilégio. O “JN” é apertado de tempo, normalmente só entram coisas muito importantes, ou que seus editores julgam importantes, e GP2 nunca esteve entre elas. Aí aparece o Felipe em horário nobilíssimo para ter o acordo anunciado em primeira mão. Pela Globo, claro.

É evidente que tem algum acordo comercial aí, mas tudo bem. E me parece claro que, de novo, neguinho começa tudo errado. Dá-se exclusividade à Globo em troca de espaço em telejornal e sabe-se lá quanto pelo “merchandising”. Foi assim com Senninha também. A Globo foi informada antes do anúncio da Williams, mas sonegou essa informação de seus telespectadores em troca do direito de fazer as primeiras imagens do piloto na fábrica e tal.

Que Nasr não se deixe seduzir por esse canto desafinado de sereia platinada. Preocupe-se em pilotar e crescer na profissão, não em fazer parte do “casting” da emissora. A Globo agiu assim por anos com Barrichello, doida para criar um ídolo-herói-com-muito-orgulho-com-muito-amor. Deu no que deu.”

Link para o post do Gomes aqui.

Quem viver, verá.

Volto mais tarde | Ao som de Stereophonics – Local Boy in the Photograph |

Hoje…Algum Tempo Atrás: 20 Anos Do Tri do Senna

Três dias atrás eu falei sobre os 30 anos do primeiro título mundial de F1 do Piquet.

Outubro é bem especial para o Brasil hein? Não tinha essa noção! Bacana demais!

8724302.ayrton_senna_no_gp_do_brasil_grande_premio_353_498
Vitória épica. Coisa linda. Fonte: grandepremio.com.br

Continuar lendo “Hoje…Algum Tempo Atrás: 20 Anos Do Tri do Senna”

Hoje…Algum Tempo Atrás: Ayrton Senna e Interlagos

Hoje completam-se 20 anos de uma das vitórias mais incríveis do automobilismo brasileiro. Senna, em Interlagos, vencia sua primeira corrida em casa de forma absurdamente dramática.

24 de março de 1991

Continuar lendo “Hoje…Algum Tempo Atrás: Ayrton Senna e Interlagos”