Dica de Leitura: Jornal “Estado de Minas” Encontra Hilda Furacão

Nossa, vocês viram a reportagem especial feita pelo Jornal Estado de Minas, que encontrou a mítica Hilda Furacão em Buenos Aires? Sim, ela ainda está viva (eu não sabia), com 83 anos, e mora em um asilo na capital da Argentina.

Fonte: Estado de Minas
Fonte: Estado de Minas

Eu me lembro muito bem da época em que a série foi gravada, porque algumas das locações eram próximas à minha escola.

Talvez por isso, ela foi uma das minhas favoritas.

Mas, daquilo escrito no romance de Roberto Drummond e relatado na produção da Rede Globo, para a realidade….

Buenos Aires – “A Hilda Furacão, onde ela estiver…”. Essa é a última das muitas dedicatórias que Roberto Drummond (1939-2002) faz no livro Hilda Furacão (1991, Geração Editorial). Pois a verdadeira personagem, viúva do jogador de futebol Paulo Valentim, ídolo do Atlético, Botafogo, Boca Juniors – jogou ainda no Atlante (México) –, batizada Hilda Maia Valentim, está viva, com 83 anos. Solitária, mora em um asilo, o Hogar Guillermo Rawson, no Bairro Jujuy, em Buenos Aires. Quem paga as despesas é o município portenho. Não há mais o glamour e o luxo dos tempos dourados na capital argentina, nem resquícios da vida na zona boêmia de Belo Horizonte, que a tornou famosa nos anos 1950. A realidade da mulher, que na obra de ficção de um dos maiores escritores mineiros se chamava Hilda Gualtieri von Echveger, é outra, completamente diferente da personagem da literatura. Ela, aliás, nunca frequentou o Minas Tênis Clube. Nem sequer sabe onde fica.

Gostei muito de ler, mas confesso que me bateu uma tristeza por ver qual foi o destino dessa legendária figura de Belo Horizonte.

Abaixo, os links:

Exclusivo: EM encontra Hilda Furacão vivendo em um asilo em Buenos Aires

Hilda Furacão lembra momentos de glória e decadência ao lado do marido

Após duas quedas, Hilda Furacão foi parar em asilo de Buenos Aires

Romance de Roberto Drummond, Hilda Furacão é um guia para a BH dos anos 50

Hilda Furacão se lembra pouco da BH de seu tempo e alimenta mágoa de parentes de marido

Vale a leitura.

E fica o parabéns ao jornalista Ivan Drummond, e sua equipe, pelo material produzido.

Volto mais tarde | Ao som de Kasabian – Acid Turkish Bath (Shelter From The Storm) |

Séries de TV: Seinfeld e o Maps About Nothing

Que projeto sensacional feito pelos fãs de Seinfeld!!

Maps About Nothing (Mapas Sobre o Nada) é um blog criado com todas as referências geográficas feitas pelos personagens durante os anos de exibição da série (1989 – 1998)….a melhor de todos os tempos.

Clique aqui para entrar no Maps About Nothing
Clique aqui para entrar no Maps About Nothing

Descobri em uma matéria da Folha de São Paulo, que diz:

Há os lugares que todos esperavam, como o apartamento de Jerry Seinfeld, o café Monk’s, onde os personagens sempre se reuniam, ou a sede do time de beisebol New York Yankees, para o qual o personagem George Costanza chegou a trabalhar.

Mas há também lugares inesperados, como a Argentina, país para o qual o “nazista da sopa”, um dos vilões de “Seinfeld”, se mudou após seu restaurante ser fechado –uma piada com o fato de diversos oficiais nazistas terem imigrado para terras argentinas depois do fim da Segunda Guerra Mundial.

Increíble!

Volto mais tarde.

Ao som de R.E.M. – Auctioneer (Another Engine)

Esportes: Messi x Neymar, A Grande Diferença

O vídeo abaixo, que tem gerado polêmica na internet, mostra qual seria a grande diferença entre o Messi e o Neymar.

Se é “a” grande, aí é opinião de cada um. Mas, coincidência ou não, o que é mostrado ali é uma das características que mais me faz ser fã do argentino.

E, de longe, é a que mais me faz não gostar nem um pouco do brasileiro.

Volto mais tarde.

Ao som de A Camp – Stronger than Jesus

Dicas de Buenos Aires: Por Julia Faria

Eu fui a Buenos Aires uma única vez com uns 11 anos de idade, o que me torna, hoje, uma pessoa extremamente incapaz de escrever sobre ela.

Mas ao ler os posts que a Julia Faria fez de sua viagem pra lá, a vontade que ficou foi a de pegar o primeiro avião e partir, para comprovar se as dicas são realmente boas. Além de comer muita carne, óbvio!

juliafaria.com.br

 

Foram dois posts: um sobre os 10 lugares imperdíveis da cidade, outro sobre os restaurantes.

O mérito por tudo que está ali é todo da Sr. Julia, assim como o fardo caso alguma dica seja ruim (eu meio que duvido).

juliafaria.com.br

Então, confiram lá:

TOP 10 Buenos Aires

TOP 10 Restaurantes em Buenos Aires

PS: Quem quiser deixar dicas, para uma futura viagem minha, o espaço para comentários está totalmente aberto!!

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Higher |

Esportes: Quadro de Medalhas, Dia 11

Triste pelo handebol feminino, que fez uma campanha linda, maravilhosa, mas que pegou a campeã mundial e olímpica cedo demais!

Enquanto isso, no vôlei de quadra:

Créditos ao Grande Turco!

E o quadro?

Amanhã tem Brasil x Argentina no vôlei e no basquete masculino!

Volto mais tarde | Ao som de Damon Albarn – Saturn |

Dica de BH: Café Com Tango

A minha história com o maravilhoso Café com Tango começou em maio do ano passado, recém iniciada no meu novo trabalho, quando meu chefe me perguntou*:

“Viviane, você almoça sanduíche? Sanduíche de verdade?”

“Claro!”

“Está de salto alto”

“Não.”

“Então, vamos! Vou te mostrar o Café com Tango”

(*Foi algo do tipo.)

Antiga sede, na Marília de Dirceu. Ali começou a minha história com o café. Créditos: Aos quatro ventos.

Assim, fui apresentada ao extremamente simpático e delicioso Café, que ainda ficava na Marília de Dirceu.

Com uma atmosfera argentina que eu adoro, ele  me chamou atenção pelo tanto que os sanduíches são bem feitos, o atendimento da Malu muito atencioso, mas principalmente, mesmo sendo muito pequeno, sempre achei muito aconchegante.

Naqueles dois meses antes da minha secretaria mudar para a Cidade Administrativa, me dispunha a caminhar no sol cada vez mais insuportável de BH, de salto, descendo e subindo a Av. Olegário Maciel, porque os sanduíches, os sucos e os cafés simplesmente valiam a pena.

Entretanto, por motivos deles, o endereço mudou e o café, agora, está mais espaçoso. E mais perto do meu antigo local de trabalho. Penso que, se eu ainda estivesse lá, estaria rumando a obesidade.

Esse foi o que a primogênita comeu.

Tenho muitas dificuldades de recomendar algum sanduíche, porque acho que nunca repeti. Sempre tento algo novo e nunca me arrependi. Mas acho que o que mais me marcou foi o 30, de bife a milanesa (isso mesmo. Lá na Argentina isso é comum):

Bife a milanesa, mozzarella, rúcula, tomate, azeitona e pasta de cheddar**. Divino!

Esse, que eu comi, é o 54**. Maravilhoso.

**Não, eu não tive que decorar, ou anotar, os ingredientes. O café tem um blog e lá tem o cardápio disponível.

Foto do cardápio do café

Então, é isso. Café com Tango se tornou, em um ano, um dos meus lugares favoritos de BH. Afinal, comer um maravilhoso sanduíche, ao som de um belo tango, podendo conversar a vontade com a Malu, ou mesmo usar a internet de graça deles (#sounerdnãonego), e finalizar  com um belo expresso, é muito bom. Muito, muito bom. Mesmo. De verdade. Juro.

Ps: Os quadros dispostos no café são um caso a parte. É recomendável parar e observá-los. Este, abaixo, é o meu favorito com certeza.

Peguei essa foto no 4square. Não sei quem tirou….

O endereço?

Rua Santa Catarina, 1147 – Lourdes. Belo Horizonte, Minas Gerais. Tel: (31) 3293-5817.

Funcionamento?

– Segunda a sexta de 11h as 21h;

– Sábado de 8h30 as 15h

Aceita cartão, o que é um ótima novidade em relação ao antigo local.

Aproveito para colocar dois outros comentários de blogs que acompanho:

Aos quatro ventos;

Sem pepino, por favor (Só fiquei chocada ao ler que acharam os sanduíches pequenos. Eles super me satisfazem. Questão de tamanho de estômago, né?).

Fica a dica, people.

Volto mais tarde | Ao som de Madonna – Fever  |

Esportes: Cry Me a River

Ontem eu acompanhei de perto o drama do River Plate, na tentativa de impedir a queda para a segunda divisão.

Bom, para cair na Argentina tem que fazer muita força… e o River fez. Mas ainda assim, que jogo intenso! O final, pior ainda.

riverplate.com.ar

Continuar lendo “Esportes: Cry Me a River”