Música do Dia: Garbage – Supervixen

Mal creio que esse post está no automático, porque estou vendo isso com esses olhos que a terra há de comer!

Garbage

Make a whole new religion
A falling star that you cannot live without
And I’ll feed your obsession
There is nothing but this thing that you’ll never doubt
This thing you’ll never doubt

Volto mais tarde | Ao som de Garbage – Supervixen |

Anúncios

Rio 2016: Sobre as Olimpíadas no Brasil

Ontem foi o marco de 10 dias para o início das Olimpíadas, né?

Justamente por isso, o post que fiz quatro anos atrás, sobre os 10 dias que faltavam para o início das Olimpíadas de Londres rendeu uma boa audiência ao blog.

londres-2012

Ao ver a minha empolgação com os Jogos passados, o efeito surtido foi o aumento brutal do amor que sinto pelos últimos governos do nosso País. Eles foram capazes de me tirar o tesão de uma das minhas grandes paixões na vida, os Jogos Olímpicos.

Quatro anos atrás, eu fiz posts diários com quadro de medalhas; acompanhando os atletas brasileiros; dando dicas de aplicativos para poder acompanhar tudo; vibrando com os jogos de melhor trilha sonora de todos os tempos.

Não, não que vá parar de torcer pelos brasileiros. Vou sempre torcer para o melhor resultado possível para todos, exceto pelo futebol masculino. Ali, a esperança continua pela eliminação na primeira fase.

Mas, sério: jamais na minha vida eu imaginei chegar a uma Olimpíada com esse nível de desinteresse que estou tendo. Triste.

Muito triste.

E frustrante.

Foi mal pelo desabafo.

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Godspell |

Dicas de NYC: Russ & Daughters at the Jewish Museum (ou não)

Quando postei sobre o Jewish Museum, escrevi que o restaurante que lá se encontra mereceria um post próprio.

Aqui está.

Processed with VSCO with hb1 preset
Acervo Pessoal

Ao postar essa foto no Instagram, uma amiga me mandou o seguinte comentário:

“Eu poderia morar no Russ & Daughters”

A minha resposta?

“Posso morar com voce?”

Continuar lendo “Dicas de NYC: Russ & Daughters at the Jewish Museum (ou não)”

Música do Dia: Oasis – D’You Know What I Mean? (NG’s 2016 Rethink)

Essa releitura que o Noel fez para a reedição do Be Here Now ficou primorosa!

Que coisa linda, mais orquestra, menos guitarra. Dá até para ouvir o baixo.

Oasis - D'You Know What I Mean? (NG's 2016 Rethink)

Step off the train all alone at dawn
Back into the hole where I was born
The sun in the sky never raised an eye to me
The blood on the trax must be mine
The fool on the hill and I feel fine
Don’t look back cos you know what you might see

Volto mais tarde | Ao som de Oasis – D’You Know What I Mean? (NG’s 2016 Rethink)  |

Coluna da Primogênita: Dicas de BH – Os Meus Pães Favoritos Na Cidade

Intolerantes ao glúten, não me ofenderei se vocês saírem deste post agora, pois este será uma ode ao pão! Ao pão de verdade, artesanal que desde os tempos mais remotos nutre a humanidade.

Foto: Acervo Pessoal Bagueteria Francesa
Foto: Acervo Pessoal
Bagueteria Francesa

Continuar lendo “Coluna da Primogênita: Dicas de BH – Os Meus Pães Favoritos Na Cidade”

Dicas de NYC: Ver o Manhattanhenge!

Seguinte, o Manhattanhenge é o solstício de Manhattan. Ocorre quando o sol se alinha com o grid da cidade, então é possível observá-lo se pôr de forma bem alinhada às ruas e edifícios.

Ele acontece duas vezes no verão e, nessa semana, ocorreu na segunda e terça feira.

Na segunda, parecia que não ia rolar direito, porque estava muito nublado. Eu estava com uma amiga e, por conta disso, decidimos dar uma andada pelo Central Park.

Só que as nuvens abriram e ele rolou. Mas nós não estávamos na rua, no meio dos prédio para poder aproveitar direito.

Sem problemas!

Acabamos vendo um inacreditável pôr do sol no Jacqueline Kennedy Onassis Reservoir, certamente um dos pontos mais espetaculares do parque.

Nenhum filtro nessas fotos.

Acervo pessoal
Acervo pessoal
Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Continuar lendo “Dicas de NYC: Ver o Manhattanhenge!”

Música do Dia: Travis – 3 Miles High

Espero conseguir voltar a escrever sobre música por aqui.

Por exemplo, pra poder falar sobre o lindo do novo disco do Travis.

Soon, I hope.

Travis - 3 MIles High

Every cloud has a silver line
But you still need the moon to shine
And we don’t care about it
Is there something that you forgot
And you wish you could stop the clock
Because you can’t live without it
We don’t have a clue

Volto mais tarde | Ao som de Travis – 3 Miles High |

Dicas de NYC: Ir à Exposição Unfinished, no Met Breuer

Eu já tinha visto uma chamada ou outra dessa exposição, mas foi uma mensagem da Primogênita, em que ela me pedia pra ir por ela, que me fez tomar a decisão.

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Ainda bem, porque vi uma das exposições mais legais da minha vida.

Continuar lendo “Dicas de NYC: Ir à Exposição Unfinished, no Met Breuer”

Dica de Blog: Dri Everywhere, para viajantes com e sem filhos!

O Blog da Adriana Miller ja apareceu aqui no words of leisure. Mas pensei que, para o que quero falar, vale mais a pena escrever um novo post que o atualizar antigos.

drieverywhere.net
drieverywhere.net

Porque ele está cada dia mais sensacional, então vale muito a pena dedicar esse tempo para recomendar para vocês.

Podem me agradecer depois. Sério.

Continuar lendo “Dica de Blog: Dri Everywhere, para viajantes com e sem filhos!”

Dicas de NYC: Assistir ao American Ballet Theater, no Lincoln Center

Existem momentos em que a gente consegue entender, enquanto ele acontece, que o que está se passando é algo que vai realmente te marcar para o resto da vida. Algo pra contar pra filhos, netos, porque o nível de emoção que ele te traz não é algo que se passa muitas vezes.

Foi exatamente o que aconteceu, no último sábado, quando fui assistir a Romeu e Julieta, em uma performance do American Ballet Theater, no Lincoln Center.

Fonte: ballet.co.uk
Diana Vishneva e Marcelo Gomes. Fonte: ballet.co.uk

Uma das coisas mais linda que já vi na vida.

Continuar lendo “Dicas de NYC: Assistir ao American Ballet Theater, no Lincoln Center”

Dicas de NYC: Uma visita ao The Jewish Museum e a exposição do Burle Marx

Fui ao Jewish Museum algumas semanas atrás e fiquei absolutamente encantada.

Tenho um grande interesse pelo judaísmo, então, nada mais natural que fazer uma visita ao local, que é um museu de arte e que contém o maior número de artefatos que dizem muito sobre o povo, cultura, religião, entre outros, fora de Israel.

Mas o que me mais me fez ir lá foi saber que esta rolando uma exposição sobre o Burle Marx.

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Continuar lendo “Dicas de NYC: Uma visita ao The Jewish Museum e a exposição do Burle Marx”

Doodle do Dia: Chaves, 45 anos do primeiro episódio.

Poucos dias após a triste notícia do falecimento do Rubén AguirreChaves completa 45 anos de exibiçäo do primeiro episódio.

Isso gerou homenagem do Google, com o fofo doodle abaixo:

chaves googledoodle

De acordo com o G1: “Criada em por Roberto Bolaños (1929-2014), “El Chavo del Ocho” foi ao ar em 20 de junho de 1971. Seu último episódio foi transmitido em 1980.”

Para ver no formato de gif animado, basta clicar na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Suede – Stay Together |

Dicas de NYC: Assistir a Filarmônica de NY, no Central Park

Na última quinta-feira, tive a chance de viver um desses momentos que Nova Iorque te presenteia com uma oportunidade para se lembrar pro resto da vida: assistir a Filarmônica tocar de graça, no Central Park.

Crédito da foto: Mihael Kostadinovic
Crédito da foto: Mihael Kostadinovic

Continuar lendo “Dicas de NYC: Assistir a Filarmônica de NY, no Central Park”

Dica de Leitura: “Bye-bye, Brasil”, por Suzana Herculano-Houzel

Suzana Herculano-Houzel é uma das cientistas mais brilhantes que o Brasil tem.

De verdade.

De ser reconhecida internacionalmente como uma das pessoas que pode mudar o rumo de sua área de atuação.

E ela foi embora. Foi para os Estados Unidos, para ter condições de desenvolver sua pesquisa.

O texto que escreveu para a Revista piauí é sensacional.

E, ao mesmo tempo, triste.

byebyebrasil-piaui
Fonte: Revista piaui. Ilustracao: Roberto Negreiros_2016

Enquanto o Brasil continuar acreditando que não há espaço para a meritocracia, o País jamais irá pra frente.

Cito:

No Brasil, contudo, como pesquisadores são tipicamente contratados como professores universitários, valem as leis do funcionalismo público e seu esquema rígido de remuneração. Não importa o quanto um cientista produza, o quanto se esforce, quanto financiamento ou reconhecimento público traga para a universidade – o salário será sempre o mesmo dos colegas que fazem o mínimo necessário para não chamar a atenção. Ou seja, o sistema na academia brasileira de salários prefixados, garantidos por toda a carreira, com promoções por tempo de serviço, e não por mérito, é o pior possível quando se reconhece a importância da recompensa proporcional ao esforço para manter trabalhadores motivados. A associação de docentes da minha universidade luta ferrenhamente para manter tal isonomia; “meritocracia”, nesses círculos, é palavrão.

Que ela seja verdadeiramente feliz por lá. Poderá, assim, contribuir muito mais para o Brasil.

Para ler o texto completo, clique na figura ali em cima.

Volto mais tarde | Ao som de The Charlatans – These Things |