Dica de Livro: “O Menino Que Foi Morar Dentro da Televisão”, por Flávia Vilhena

Que coisa boa, poder escrever sobre um livro que não somente é super bacana, mas que é de uma amiga???
E não que seja um “jabá”, que escrevo por ter sido escrito por alguém que conheço, mas por ele ser bem legal, de verdade??

Acervo pessoal


Conheço a Flávia Vilhena há uns bons anos e, dentre as várias coisas que temos em comum, sempre esteve o gostar de escrever. Ela sempre foi de postar textos e fotos sobre viagens, seus filhos, maternidade, família e sempre torci por pessoas que insistem na luta por textos com mais de dois parágrafos, nos dias de hoje. 

Aí, quando ela anunciou que ia publicar seu primeiro livro, não tinha como não entrar na pré-venda e garantir o meu!
O Menino Que Foi Morar Dentro da Televisão é sobre a batalha travada por várias famílias, no Brasil e no mundo: como lidar com o consumo de telas pelas crianças? 

Acervo pessoal

Como dito, logo no início:

“Essa é a história do Caetano, um menino contente e brincalhão, que adora passear e correr, ler livros e assistir televisão”.

Particularmente, acho que a Flávia lidou com a questão com muita parcimônia, sem o radicalismo de “zero tela” ou de “100% tela”. Além de tratar com muita leveza….Aristóteles. Sim, o próprio.

Acervo pessoal

Vale destacar também as ilustrações da Luiza Hickmann, que são um caso a parte no livro, já que trouxeram muitas cores e alegria, em um tema tão importante. 

Acervo pessoal


Acho uma ótima opção de presente para criançada, pena que escrevi muito em cima do Natal! 

Deixo aqui o Instagram da Flávia e da Luiza, para que vocês acompanhem os respectivos trabalhos e vejam as formas de comprar o livro.

 
E, claro, parabéns, Flávia! Como te falei, que sonho poder escrever um livro!
PS: em tempo, Feliz Natal à todos que chegaram até aqui! 

Volto mais tarde | Ao som de The Corre – My Lagan Love

Dica Para Se Manter Atualizado: thenews, thebizness & thestories

Uma pergunta que escuto há anos é “Viviane, como você consegue me manter tão atualizada?”

De fato, eu sempre gostei muito de ver e ler jornais. Inclusive, uma lembrança de infância super gostosa que eu tenho é de estar na praia e ver meu pai comprando o “Estado de Minas”. Ele pegava os primeiros cadernos, passava o resto para mim e para a Primogênita (aquela da coluna, vocês se lembram?) e eu ficava lá, me achando, lendo jornal igual a ele.

Fonte: print/ acervo pessoal

Admito que a pandemia teve um efeito muito deletério em mim, principalmente naqueles piores momentos aqui no Brasil. Nunca antes eu tinha passado por momentos em que simplesmente desligava a tv e não entrava em sites por dias, por estar totalmente exausta por tudo que estava acontecendo. Claro que, eventualmente, isso tudo foi passando e hoje já voltei ao meu normal.

E, uma forma que eu tenho gostado demais de ler notícias é pelo thenews.cc, que me foi recomendada pela Primogênita, inclusive. Newsletter diária, recebida às 06:06, que é descrita assim:

Fonte: print/ acervo pessoal

Acho o tom super fluido, agradável de ler, mesmo quando os temas são espinhosos.

E estão se expandindo. Todas terças e quintas, às 13:13, também recebemos o thebizness.cc, com informações de negócios, comércio, análises de empresas, com direitos a muitos gráficos e infográficos, amados por essa que vos escreve.

Fonte: print/ acervo pessoal

E, finalmente, a proposta mais romântica de todas.

Fonte: print/ acervo pessoal

O thestories.cc é enviado aos domingos, 08:08, com “histórias de quem realmente sentiu algo sincero”. Histórias de amor, de amizade, com finais felizes ou não. Eu me emocionei, de verdade, com essa aqui, por exemplo:

Não vou postar toda, né? Fonte: print/ acervo pessoal

Então, para receber, basta clicar nesse link aqui e depois confirmar pelo email que enviarão.

Peço, encarecidamente, que usem esse meu link aqui, já que eles têm um programa de indicação e eu quero ganhar a minha caneca hehehe.

CLIQUEM NESSE LINK AQUI.

ok?

Então, é isso.

Ficam as dicas.

Que, antes que me esqueça, podem ser acessadas ao clicar aqui.

Volto mais tarde | Ao som de ABBA – Just a Notion | #twitternomore

Dica de Livro: The Five, da Hallie Rubenhold

Era com esse post que eu queria ter retomado o blog.

Acervo Pessoal

Fiquei sabendo da existência do The Five pela Magê Santos, que já apareceu no wol, nesse post aqui. Ela divulgava em suas redes, no ano passado, o crowdfunding feito pela bela Editora Wish.

O que mais chamou a minha atenção foi uma frase que era mais ou menos assim: “o livro que busca dar dignidade às vítimas do Jack, o Estripador”.

Até então, o meu conhecimento era que ele tinha matado prostitutas, afinal, isso que sempre foi dito por aí, né?

Aí, entrei no financiamento e aguardei que meu livro chegasse para conhecer a história dessas mulheres, cujos assassinatos foram tão crueis. Mesmo com o receio de como os momentos finais seriam retratados.

Estou aí no meio dos agradecimentos. Acervo Pessoal.

Ao recebê-lo, era impossível não ficar encantada pela execução da Wish. O livro é primoroso em sua edição.

Acervo Pessoal

Mas, indubitavelmente, as histórias falam mais alto que tudo.

A forma em que a autora pesquisou a história de cada uma é louvável, ainda mais quando se pensa no acesso à informação da época e, para piorar, de mulheres que viviam na pobreza.

Pelas histórias de Mary Ann Polly Nichols, Annie Chapman, Elizabeth Stride, Catherine Eddowes e Mary Jane Kelly somos apresentados a um outro lado daquela Inglaterra rica e poderosa que estudamos em nossas aulas de História. Um que é paupérrimo, em que as pessoas viviam em condições subumanas de higiene e de precariedade habitacional absurda.

Por todo o tempo, eu me perguntava: “o que essas mulheres viveram, fizeram, falaram, o que as levaram a estar naqueles dias específicos, horários e locais, para um fim tão cruel?”. Particularmente, a história da Annie Chapman foi a que mais me tocou, mas são todas muito tristes.

The Five é um livro de 400 páginas, que eu li em menos de uma semana. Desnecessário dizer que tem uma forte carga emocional.

Mas, a autora é extremamente bem-sucedida no seu propósito de dar dignidade a essas mulheres, sendo muito respeitosa a elas. Tanto ao retratar suas vidas, quanto seus momentos finais.

Super recomendo a leitura.

Fica a dica.

Volto mais tarde | Ao som de The Corrs – Borrowed Heaven | #twitternomore

Frase do Dia: Schopenhauer e Quem Escreve de Maneira Displicente

Decidi voltar a postar aqui no blog, mas não esperava que seria com uma Frase do Dia.

No meu planejamento, mas eu vi essa frase recentemente e amei, então, assim foi.

Que língua linda, façam bom uso.

Volto mais tarde | Ao som de ABBA – I Still Have Faith in You

Infográfico: 15 técnicas para acabar com a procrastinação

Se for para voltar a postar no blog, que não seja pelo lamento de alguém que morreu, que seja com infográfico.

Admito que melhorei muito a questão da procrastinação, mas é uma batalha constante na minha vida.

Tentação é sempre grande.

Vi o info no Assuntos Criativos e resolvi replicar aqui.

Achei interessante e muito bem feito.

procrastinacao

 

PS: o Assuntos Criativos viu no Tutano. Dando crédito a todos que têm direito “Infográfico originalmente publicado no blog do [ Hubspot ]. Traduzido e adaptado pela equipe do Tutano. Fonte: http://tutano.trampos.co/11532-infografico-como-parar-de-procrastinar/

Volto mais tarde | Ao som de Stereophonics – Caught by the Wind |

Dica de Leitura: “Bye-bye, Brasil”, por Suzana Herculano-Houzel

Suzana Herculano-Houzel é uma das cientistas mais brilhantes que o Brasil tem.

De verdade.

De ser reconhecida internacionalmente como uma das pessoas que pode mudar o rumo de sua área de atuação.

E ela foi embora. Foi para os Estados Unidos, para ter condições de desenvolver sua pesquisa.

O texto que escreveu para a Revista piauí é sensacional.

E, ao mesmo tempo, triste.

byebyebrasil-piaui
Fonte: Revista piaui. Ilustracao: Roberto Negreiros_2016

Enquanto o Brasil continuar acreditando que não há espaço para a meritocracia, o País jamais irá pra frente.

Cito:

No Brasil, contudo, como pesquisadores são tipicamente contratados como professores universitários, valem as leis do funcionalismo público e seu esquema rígido de remuneração. Não importa o quanto um cientista produza, o quanto se esforce, quanto financiamento ou reconhecimento público traga para a universidade – o salário será sempre o mesmo dos colegas que fazem o mínimo necessário para não chamar a atenção. Ou seja, o sistema na academia brasileira de salários prefixados, garantidos por toda a carreira, com promoções por tempo de serviço, e não por mérito, é o pior possível quando se reconhece a importância da recompensa proporcional ao esforço para manter trabalhadores motivados. A associação de docentes da minha universidade luta ferrenhamente para manter tal isonomia; “meritocracia”, nesses círculos, é palavrão.

Que ela seja verdadeiramente feliz por lá. Poderá, assim, contribuir muito mais para o Brasil.

Para ler o texto completo, clique na figura ali em cima.

Volto mais tarde | Ao som de The Charlatans – These Things |

Trecho de Música do Dia: Você nunca andará sozinho, por Oscar Hammerstein II

Essa música é inspiradora demais…

Caminhe através do vento
Caminhe através da chuva
Mesmo acreditando que seus sonhos tenham sido jogados [ao vento]
E massacrados

Caminhe, caminhe
Com esperança em seu coração
E você nunca andará sozinho

quote-walk-on-walk-on-with-hope-in-your-heart-and-you-ll-never-walk-alone-oscar-hammerstein-ii-306511

PS: Trecho de Música do Dia é nova, hein?

Volto mais tarde | Ao som de Gerry & The Pacemakers – You’ll Never Walk Alone |

Dica de Leitura: Por que saí do Brasil – e por que não vou voltar

Tema bastante em voga, nos últimos tempos, é a saída de muitos brasileiros do País.

Achei bem interessante o texto escrito pelo Roberto Maxwell, no Projeto Draft.

pqsaidobrasil

Cito:

Diante desse quadro, não houve calor nem praia nem colo de mãe ou ombro de amigo capaz de me consolar ou de me segurar. Tóquio é o avesso da cultura em que nasci – mas aqui me sinto em casa. Ao contrário, me sinto um estrangeiro no lugar onde falam a minha língua, onde produzem a música que eu gosto de ouvir, onde cozinham os sabores que me fazem salivar…

A vida é feita de escolhas, né?

Para ler o restante, basta clicar na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Stereophonics – Surprise |