Frase do Dia: Tina Fey e quem faz as coisas

26a7cb820ad7de6547feeb66da7b4c4e

Think about it…

Volto mais tarde | Ao som de Garbage – Kick My Ass |

Infográfico: O Índice Veuve Clicquot, da Vivino

Vocês já ouviram falar do índice Big Mac, né? É aquele feito pela Economist, que calcula o preço do sanduíche em mais de 90 países, tendo o dólar como referência. Assim, pode-se saber qual é o grau de valorização (ou subvalorização) de uma moeda.

Pois bem, o querido aplicativo Vivino lançou o Índice Veuve Clicquot, com o mesmo propósito.

A especifidade da escolha está explicada aqui:

This wine is a great candidate to measure how much it costs for a good bottle of wine: It’s a classic Champagne, so it is widely available and likely always will be. The brand is ancient, time-tested, and well-respected, and that likely won’t change anytime soon. In fact, this Veuve Clicquot Champagne Brut is one of the 25 most rated wines in Vivino. And lastly, this Champagne is non-vintage, meaning we’ll never have to worry about year-to-year vintage inconsistencies and how that might affect pricing.

Basicamente, fala da tradição e respeitabilidade da Veuve Clicquot e como que, com ela, pode-se ter uma referência do quanto se paga por uma boa garrafa.

Dessa forma, pode-se ver, por exemplo, quantas garrafas podem ser compradas com 500 doletas.

Fonte: Vivino
Fonte: Vivino

Ou, então, quantas horas de trabalho são necessárias para se comprar uma garrafa.

table_image_bottle_median_700x930-bbae198d8f31a3ff0097b6bcefa6a951
Fonte: Vivino

A referência foi essa aqui:

Fonte: Vivino
Fonte: Vivino

Conclusão: orgulho dos números do Brasil, né?

#SQN

Para ler mais sobre o índice, clique aqui.

Volto mais tarde | Ao som de The Black Keys – Mind Eraser |

Música do Dia: Florence + The Machine – Times Like These

Gente, e esse cover que a Florence fez para Times Like These, do Foo Fighters?

Que voz, hein, moça?

Florence-and-the-Machine

O cover tem motivo e quem não sabe qual é deveria clicar aqui para se informar.

I, I’m a one way motorway
I’m a road that drives away
Then follows you back home
I, I’m a street light shining
I’m a white light blinding bright
Burning off and on

Volto mais tarde | Ao som de Florence + The Machine – Times Like These |

Dica de App: Runtastic Leg Trainer

Lá vem a Runtastic, com mais um aplicativo para motivar a fazer exercícios físicos!

Algumas semanas atrás, a empresa lançou o Leg Trainer e claro que já comecei a usar!

runtasticlegabreImgDDH

Ele segue a mesma linha do SixPack e do Butt Trainer: seria um personal trainer só para malhar as pernas (nos outros casos, abdomen e glúteos, respectivamente), integrando-os no grupo dos chamados fitness apps.

Como eu costumo usar nos finais de semana, ao juntar os três, já estou somando uma hora de exercícios físicos. Eles queimam bem, viu?

Claro, como sempre, enfatizo: só uso e recomendo porque faço atividade física, regularmente, há muitos anos e sou acompanhada por especialistas. Para os que não têm costume, acho melhor procurar um profissional antes.

Ao final das contas, a Runtastic tem, em mim, um efeito motivacional muito grande. É muito bacana acompanhar a evolução dos exercícios, os graus de dificuldade e ir dando conta de realizá-los. Depois, consigo ver pelas estatísticas quantos exercícios fiz na semana, quantas calorias perdi (claro que não considero literalmente), comparar com as semanas anteriores, entre outras funcionalidades.

Só falta, agora, a empresa lançar um aplicativo pra dorso e outro para os braços, que o corpo já estará todo contemplado.

Então, salvo as considerações acima, recomendo demais o novo aplicativo. Até a versão paga eu já comprei.

Para baixar o app, basta clicar na figura abaixo.

legtrainer

Fica a dica.

Volto mais tarde | Ao som de Maroon 5 – Secret |

Dica de Leitura: Por que saí do Brasil – e por que não vou voltar

Tema bastante em voga, nos últimos tempos, é a saída de muitos brasileiros do País.

Achei bem interessante o texto escrito pelo Roberto Maxwell, no Projeto Draft.

pqsaidobrasil

Cito:

Diante desse quadro, não houve calor nem praia nem colo de mãe ou ombro de amigo capaz de me consolar ou de me segurar. Tóquio é o avesso da cultura em que nasci – mas aqui me sinto em casa. Ao contrário, me sinto um estrangeiro no lugar onde falam a minha língua, onde produzem a música que eu gosto de ouvir, onde cozinham os sabores que me fazem salivar…

A vida é feita de escolhas, né?

Para ler o restante, basta clicar na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Stereophonics – Surprise |

Trailer do Dia: What Happened, Miss Simone?

Ontem, eu coloquei como Música do Dia a belíssima versão que a Ms. Lauryn Hill fez para Feeling Good, da Nina Simone.

Lá, coloquei o trailer do documentário que a Netflix produziu, o What Happened, Miss Simone?, que conta a história dessa que foi uma das maiores da história da música.

115850

A repetição de tema, aqui no words of leisure, é muito simples: o trailer não poderia ficar escondido dentro de outro post.

Coisa linda!

O álbum Nina Revisited: A Tribute to Nina Simone que tem a versão da Ms. Lauryn Hill, entre outros, será lançado no dia 10 de julho.

Já o documentário, What Happened, Miss Simone?, entrará no catálogo da Netflix no dia 26.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Simone –   |

Música do Dia: Ms. Lauryn Hill – Feeling Good

Gente, e esse cover da Ms. Lauryn Hill para Feeling Good, da Nina Simone??

Aos que não sabem, aquele serviço que ainda vai acabar com a minha quase nula vida social – sim, a Netflix – vai lançar um documentário sobre a magnífica Nina, o What Happened, Miss Simone?.

115850

Vários artistas foram recrutados para a trilha sonora.

Gostei demais da versão.

Enfrentar uma das maiores músicas de todos os tempos, com uma das maiores da história…não deve ser fácil

Abaixo, o arrepiante trailer.

Can’t wait!!

Volto mais tarde | Ao som de Ms. Lauryn Hill – Feeling Good |

No Meu iPod: O retorno do The Corrs!!

2015 tem se revelado um excelente ano, no que se diz respeito a retornos inesperados de bandas que amo profundamente.

Primeiro, o Blur e seu delicioso The Magic Whip (que estou devendo um texto, como sempre!).

E, nessa última semana, o retorno do The Corrs, após 10 anos afastados!

Desde o triste falecimento do pai deles, rumores sobre a reunião começaram, mas a confirmação só veio agora e fiquei feliz demais!

Feliz demais da conta, para ser mais sincera com meu sentimento.

The Corrs

Em 2013, eu fiz dois posts em que tentei demonstrar a importância deles para mim (que podem ser lidos aqui e aqui).

Por mais que eu goste da carreira solo da Sharon Corr, nada se compara com o que sinto pela banda.

Mas, como parecia não existir uma vontade por parte deles, de voltarem, eu não queria que acontecesse sem que fosse por um sentimento legítimo de tocarem juntos novamente.

Pelo que parece, foi isso que aconteceu mesmo. O que tem sido dito é que a Andrea compôs uma música que as pessoas que ouviram, amaram. E insistiram que não poderia ser uma que ela vendesse para outro artista e tal. A partir daí, a reunião!

Com show já marcado e confirmação de novo álbum! Honestamente, não vejo a hora!

Nesse mundo cheio de pessoas fabricadas pela indústria, é sempre muito bom ver talento genuíno de volta!

PS: Mas eu quero a Caroline de volta à bateria, full time!

Muito phoda!

Por questões particulares não consegui postar muito, na semana que se encerrou, mas só teria dado eles, no Música do Dia. Domínio incontestável!

Volto mais tarde | Ao som de The Corrs – Radio |

Infográfico: O tamanho verdadeiro da África

O post da Economist é de 2010, eu o vi há um tempo, mas acabei me esquecendo dele.

Para voltar à época de escola e lembrar-se da Projeção de Mercator, seus méritos e suas distorções.

Pois bem, o mapa abaixo foi feito para mostrar o verdadeiro tamanho do continente africano.

Tipo, impressionante.com

20101113_WOM943

Para ler mais a respeito, basta clciar na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Goldfrapp – Ooh La La |