Música do Dia: Kasabian – bumblebeee

Enquanto isso, eu só enrolando para escrever sobre esse álbum.

Mas tenho motivos.

Que serão explicitados quando o post sair…

4813-kasabian

Gettin’ a message? A message for me
I’m caught up in love, and I’m in ecstasy
What can I do now, when nothing’s the same?
And all that i know, I wanna do it again
Life is so simple when you are with me
‘Cause when we’re together, I’m in ecstasy
I’m in ecstasy
I’m in ecstasy
I’m in ecstasy

Volto mais tarde | Ao som de Kasabian – bumblebeee |

Anúncios

Dica de Leitura: Jornal “Estado de Minas” Encontra Hilda Furacão

Nossa, vocês viram a reportagem especial feita pelo Jornal Estado de Minas, que encontrou a mítica Hilda Furacão em Buenos Aires? Sim, ela ainda está viva (eu não sabia), com 83 anos, e mora em um asilo na capital da Argentina.

Fonte: Estado de Minas
Fonte: Estado de Minas

Eu me lembro muito bem da época em que a série foi gravada, porque algumas das locações eram próximas à minha escola.

Talvez por isso, ela foi uma das minhas favoritas.

Mas, daquilo escrito no romance de Roberto Drummond e relatado na produção da Rede Globo, para a realidade….

Buenos Aires – “A Hilda Furacão, onde ela estiver…”. Essa é a última das muitas dedicatórias que Roberto Drummond (1939-2002) faz no livro Hilda Furacão (1991, Geração Editorial). Pois a verdadeira personagem, viúva do jogador de futebol Paulo Valentim, ídolo do Atlético, Botafogo, Boca Juniors – jogou ainda no Atlante (México) –, batizada Hilda Maia Valentim, está viva, com 83 anos. Solitária, mora em um asilo, o Hogar Guillermo Rawson, no Bairro Jujuy, em Buenos Aires. Quem paga as despesas é o município portenho. Não há mais o glamour e o luxo dos tempos dourados na capital argentina, nem resquícios da vida na zona boêmia de Belo Horizonte, que a tornou famosa nos anos 1950. A realidade da mulher, que na obra de ficção de um dos maiores escritores mineiros se chamava Hilda Gualtieri von Echveger, é outra, completamente diferente da personagem da literatura. Ela, aliás, nunca frequentou o Minas Tênis Clube. Nem sequer sabe onde fica.

Gostei muito de ler, mas confesso que me bateu uma tristeza por ver qual foi o destino dessa legendária figura de Belo Horizonte.

Abaixo, os links:

Exclusivo: EM encontra Hilda Furacão vivendo em um asilo em Buenos Aires

Hilda Furacão lembra momentos de glória e decadência ao lado do marido

Após duas quedas, Hilda Furacão foi parar em asilo de Buenos Aires

Romance de Roberto Drummond, Hilda Furacão é um guia para a BH dos anos 50

Hilda Furacão se lembra pouco da BH de seu tempo e alimenta mágoa de parentes de marido

Vale a leitura.

E fica o parabéns ao jornalista Ivan Drummond, e sua equipe, pelo material produzido.

Volto mais tarde | Ao som de Kasabian – Acid Turkish Bath (Shelter From The Storm) |