Música do Dia: Phoenix – Lisztomania

Eu gosto muito, dessa.

lisztomania

Lisztomania
Think less but see it grow like a riot, like a riot, oh
I’m not easily offended
It’s not hard to let it go from a mess to the masses

Volto mais tarde | Ao som de Phoenix – Lisztomania |

 

Anúncios

Café & TV: Filme, “Amante a Domicílio”

Em um daqueles raros momentos da minha vida, fui ao cinema com a Primogênita para assistir Amante a Domicílio (Fading Gigolo) .

AmanteDomicilio

Filme escrito e dirigido pelo John Turturro, que conseguiu a proeza de ter Woody Allen como ator em um filme que não é seu, passado na mais que amada Nova Iorque.

Conta a história de Fioravante (o próprio Turturro), homem comum, florista, que é convencido pelo amigo Murray (Allen) a fazer um programa com sua dermatologista. Nada menos que Sharon Stone, que está linda, óbvio!

De um caso para profissão, a história é engraçada e sensível ao mesmo tempo, principalmente no que toca o papel da Vanessa Paradis, como viúva de um rabino, judeu ortodoxo.

Ela é linda, né? Sim, tenho vontade de colocar um aparelho nos dentes dela, mas como ela não quer….Fazer o quê? Que fique assim. Para completar o rol de mulheres que acabam com a autoestima, tem a Sofía Vergara também, tá?

Filme muito divertido, que lembra em alguns momentos os próprios filmes do Woody Allen, mas sem ser cópia. As piadas que lidam com o estereótipos da prostituição, negros e judeus, são ótimas.

Assim como a trilha sonora.

E tem NYC, né? Coração aperta de saudade…

Vale a pena. Gostei bem.

Abaixo, o trailler.

Volto mais tarde | Ao som de Fiona Apple – Criminal |

Música: Sobre o Novo Álbum do Michael Jackson

Engraçado….

No início da semana eu conversava com um dos meus grandes amigos sobre os tais discos póstumos.

Há casos e casos, né? A Janis Joplin já tinha gravado o Pearl quase todo quando faleceu. Aí vai.

Mas em muitos casos, eu penso exatamente como o André Barcinski, quando escreveu:

André Barcinski

Se um músico escolheu não lançar determinadas músicas durante sua carreira, não é absurdo supor que ele não gostava delas e preferiu deixá-las inéditas. Mas a indústria da música não liga para esses detalhes, e costuma raspar o fundo do barril em busca de qualquer sobra que possa gerar uns trocados.

Esse trecho foi tirado do texto MICHAEL JACKSON: MORTO E FATURANDO, e fala sobre o novo disco póstumo do Rei do Pop, Xscape.

Eu ainda não o ouvi e pelo que ele escreveu, fiquei até bem curiosa. E concordo com o final:

É um disco caça-níqueis? Claro que sim. Mas se é para cometer necrofilia musical, que seja a melhor que o dinheiro pode comprar.

Mas ainda assim, pra mim há algo muito bizarro nisso.

Bom, para ler o texto completo, basta clicar no moço ali em cima.

Volto mais tarde | Ao som de Café Tacvba – Mediodia |