Música do Dia: A Camp – I Signed the Line

Nina Persson dominando minha semana, como é possível ver no meu last.fm.

lastfmnina

Logo, minha opinião sobre o disco solo dela, Animal Heart.

Por enquanto, fico com um dos seus projetos fora do Cardigans, o lindão do A Camp.

acamp-photo

Don’t send me letters in bottles anymore
And don’t come a-knocking or darken my door
We’ve got a contract, devotion evermore
We’re legally bonded in richness and in poor

I signed the line that was dotted
I’d like to end what I started
I signed the line and I realize
A lot of lies were written in letters
In bottles that tend to run aground

Volto mais tarde | Ao som de A Camp – I Signed the Line |

Anúncios

Dicas de NYC: Alice’s Tea Cup

Este é, definitivamente, o post mais lesado da história do words of leisure!

Afinal: eu jurava já tê-lo escrito antes.

Jurava de pé junto mesmo, certeza mais que absoluta. Mas aí, quando a Primogênita escreveu sobre o Upper West Side, pensei: vou buscar o link do meu sobre o Alice’s para que ela insira no post.

E não é que não o achei?!

Eu não o deletei, então…. Surtei? Imaginei ter escrito? Deletei sem querer?

Só sei que nada sei…

O fato é que o words of leisure não pode ficar sem um registro do maravilhoso Alice’s Tea Cup!!

Então, se for para escrever pela segunda vez, que seja.

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Alice’s Tea Cup é uma casa especializada em chás, inspirada no Alice No País das Maravilhas.

São três lojas, também chamadas de Capítulos:

Chapter 1 (102 west 73rd st)

Chapter 2 (156 east 64th st)

Chapter 3 (220 east 81st st)

Eu sempre fui na do Upper West Side, ou Chapter I (o da foto acima).

E sabe o que é uma das coisas mais interessantes de lá? Não é necessário apreciar chá para ir e gostar.

Há um amplo espaço para café da manhã e brunch deliciosos, além da loja, com suas mais de 200 variações da bebida.

O meu favoritão, campeão mesmo, top top top, é o Alice’s Tea. O cheiro é absurdamente bom e o gosto segue o mesmo caminho.

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Outro que comprei e amei foi o Casablanca (passei a gostar mais desse nome, nos últimos tempos)! É uma variação do chá verde e tem uma textura maravilhosa.

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Primogênita escolheu o Indian Chai, que é uma variação do Chai Latte. Muito bom também.

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

O chá vem trituradinho, então, tem que ter infusor ou algo do tipo, para aquecer.

Olhem só as coisas que o lugar faz, no site:

alicesteacup.com

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

E o tamanho do sanduíche? E do bule de chá só para a minha pessoa?

Muito bom mesmo. Vale a visita. Mesmo aos que não gostam da bebida!

Volto mais tarde | Ao som de Julieta Venegas – Los Momentos |

 

Dica de Leitura: Conversa À Toa Sobre o Começo, o Meio e o Fim do Amor

Estou aproveitando esses últimos dias para colocar leituras em dia. Tinha salvo o texto Conversa à toa sobre o começo, o meio e o fim do amor (no Pocket) há um tempo, mas só consegui ler ontem.

Elena-Romanova-620x400
Texto publicado na Revista Bula

E ainda bem que o fiz, porque o texto é belo.

Cito:

Então, uma vez iniciado, o amor vive sua maior peleja: o meio. Porque difícil não é o começo e nem o fim do amor. É o meio, o que existe entre um e outro lado da história, entre a capa e a contracapa, a frente e o verso. O morno que um dia foi água pelando e no outro será gelo e indiferença. A segunda, terça, quarta e quinta feiras de todo amor.

Quando chega ao meio é que o amor se põe à prova. E só sobrevive a esse terreno esburacado e enganoso o amor dos amantes operários. O amor trabalhador. Porque é de subidas dolorosas, descidas traiçoeiras e retas sonolentas que se compõe esse meio-caminho.

Muito, muito, muito bacana.

Para ler, clique na figura acima.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Persson – Sometimes |