Música do Dia: Franz Ferdinand – Bullet

Franz Ferdinand: uma das melhores, quiçá a melhor, bandas para fazer clipe hoje em dia.

Impressionante o valor que dão a isso, legal demais!

Right Thoughts, Right Words, Right Action: mais um álbum lançado em 2013, ainda não comentado no words of leisure.

Volto mais tarde.

Ao som de Franz Ferdinand – Bullet

Na Estante: Revistas da Condé Nast Gratuitas, Temporariamente

Usuários de iPad, iPod e/ou iPhone, vejam a dica: como parte do verdadeiro Black Friday, a Condé Nast disponibilizou download gratuito das edições mais recentes de suas revistas.

Dá para aproveitar bem, além de poupar uma boa graninha.

condenastpromo

Já baixei um bocado.

Para fazer o mesmo, tem que ir lá na Banca e baixar o aplicativo de alguma dessas aí em cima. Depois, cliquem em “just browsing” que as últimas edições aparecerão, custando 0,00 doletas americanas.

Promoção até o dia 02 de dezembro, viu? Aproveitem.

Volto mais tarde.
Ao som de R.E.M. – Get Up

Hoje…Algum Tempo Atrás: 12 Anos Sem George Harrison

12 anos sem o maior entre os maiores….

Sem o Quiet One…

george12yearsRIP

Sempre será homenageado por aqui…

Nos 10 anos do falecimento dele, escrevi mais a respeito:

Hoje…Algum Tempo Atrás: 10 Anos Sem George Harrison 

Volto mais tarde | Ao som de The Beatles – Here Comes The Sun |

SalvarSalvar

Infográfico: Os Números Mais Recentes Das Redes Sociais

Vi o Infográfico, que mostra os dados mais recentes das redes sociais e alguns pontos me impressionaram.

Aos que ainda falam que não há ninguém no Google+: 500 milhões de usuários.

Cerca de 8000 usuários curtem uma foto no Instagram, por segundo.

Só 6% dos usuários do Pinterest têm suas contas ligadas ao Facebook.

Como sempre: adoro!

1

Para ver o restante dele, clique aqui.

Volto mais tarde | Ao som de Pearl Jam – State of Love and Trust |

Música do Dia: Aerosmith – Livin’ On The Edge

Tem como falar em Boston e não pensar no Aerosmith?

I don’t think so.

Aerosmith - Livin' On The Edge

Tell me what you think about your situation
Complication-aggravation
Is getting to you

If chicken little tells you that the sky is fallin’
And even if it wasn’t would you still come crawlin’
Back again?
I think you would my friend
Again and again and again and again

Something right with the world today
And everybody knows it’s wrong
But we can tell them no or we can let it go
But I would rather be hanging on

Volto mais tarde | Ao som de Aerosmith – Livin’ On The Edge |

Coluna da Primogênita: Boston/Cambridge

Vamos mudar um pouco de assunto, ou melhor, de cidade? Resolvi intercalar umas dicas de Boston/Cambridge às de NY, para variar um pouco.
Boston e Cambridge são duas cidades vizinhas separadas pelo rio Charles.

Boston é o centro comercial e financeiro, Cambridge abriga as duas melhores instituições de ensino do mundo: Harvard e o Massachussets Institute of Tecnology, o famoso MIT. E são essas diferenças que, somadas, fazem da viagem um passeio maravilhoso!

Boston e Cambridge Foto: Arquivo Pessoal
Boston (abaixo, na figura) e Cambridge (acima).
Foto: Arquivo Pessoal

Eu e Viviane tínhamos um motivo muito especial para fazer essa viagem. Uma grande amiga dela, muito querida, mora lá há quase um ano e resolvemos unir a fome com a vontade de comer: rever uma pessoa querida e passear, conhecer um lugar novo. Antes de continuar: Fernandinha, já te agradecemos mas quero fazer publicamente. Muito obrigada! Nossos dias com você foram excelentes!

Mas, se você não tem ninguém por lá, então por que ir a Boston/Cambridge?
  • Se você gosta de história, a região foi o centro do processo separatista dos Estados Unidos da metrópole Inglaterra e um tour por lá permite entender muito dos valores que ajudaram o surgimento desta grande potência mundial. Do ponto de vista arquitetônico, os edifícios antigos, bem preservados criam um contraste super interessante com os arranha-céus atuais. Vibrei com tantas imagens bacanas!

    Foto: Arquivo Pessoal
    Foto: Arquivo Pessoal
  • Apesar de ser uma grande cidade, o verde está sempre presente e o cuidado dos cidadãos com os parques e monumentos é encantador! As pessoas ocupam e aproveitam esses espaços públicos, de forma civilizada e educada. Por todos os lados, há pessoas andando de bicicleta, correndo, mães passeando com os carrinhos de bebê…Ainda tem o Rio Charles, com seus velejadores sempre presentes, construindo uma paisagem tranqüila. É tudo muito limpo, bem cuidado e lindo demais!
Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

  • Antes que você pense que está tudo muito histórico, limpo, quase que tedioso, chamo atenção que há muitos jovens, de todos os cantos do mundo vivendo por lá! Abrigando uma quantidade grande de universidades disputadas, o motivo é mais que óbvio e garante o agito local.
  • E falando em universidades, o passeio em Cambridge é simplesmente imperdível! Harvard e o MIT são centros de excelência completamente diferentes um do outro e por isso, ambos merecem a visita! Harvard é clássica, com parques lindíssimos, foi lá onde presenciei o outono mais lindo da viagem! Se você assistiu a série Gilmore Girls e se, como eu, adorava as paisagens da cidade fictícia Stars Hollow e no caso, do campus de Yale, aqui foi o lugar que já cheguei mais próxima disso!
Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Outono em Harvard Foto: Arquivo PessoalFoto: Arquivo Pessoal

  • Já o MIT, como instituto de tecnologia, apresenta uma arquitetura mais “modernosa”, contando, até mesmo, com prédios do arquiteto Frank Ghery (autor do projeto famoso do museu Guggenheim de Bilbao). Chique né?
Campus do MIT Foto: Arquivo Pessoal
Campus do MIT
Foto: Arquivo Pessoal

Minha impressão final de Boston/Cambridge é de se tratar das cidades americanas mais semelhantes à Europa, que já visitei até hoje. Valorização da educação, do conhecimento, da história, bem-estar social, bom aproveitamento do espaço público, associadas a diversão e paisagens lindíssimas! Aqui se sente o que é um país de primeiro mundo, o que é uma boa qualidade de vida!

Recomendo muito essa viagem e se você optar de fazê-la junto a um passeio a NYC, sugiro, veementemente, que a faça de trem. A viagem de quatro horas foi uma das mais bonitas que já fiz na vida, tudo tão lindo, que não consegui descolar os olhos da janela nem por um minuto!

Fotos: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Vontade de voltar!

Dica de Viagem: Os Guias Autorais de Paris

Cada vez mais, quando vou viajar, tenho feito uso de blogs na busca de recomendações de lugares para visitar e comer (principalmente), porque o tom pessoal deles me agrada mais que os guias tradicionais. Estes, uso mais como referência para pontos turísticos clássicos.

Justamente por fazer tanto uso dessa ferramenta que gosto de escrever as minhas dicas no words of leisure (clique aqui para ver algumas delas).

20131125-114458.jpg

Pois bem, o adorável Conexão Paris fez um interessante post com recomendações de Guias autorais da Cidade Luz – principalmente – e outras cidades do Velho Continente.

Muito legal, ainda mais àqueles que estão com passagens compradas.
Para ver quais são, basta clicar na foto acima.

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – A Good Horse |

Música do Dia: Blur – Best Days

Uma das minhas escolhidas, no Uma Música Por Álbum, do Blur.

Other people wouldn’t like to hear you
If you said that these are the best days of their lives
Other people turn around and laugh at you
If you said that these are the best days of our lives

Volto mais tarde.

Ao som de Blur – Best Days

No Meu iPod: Uma Música Por Álbum – Blur

Finalmente, mais um post da sequência Uma Música Por Álbum.

Blur276

Não tinha como não começar com o The Corrs, mas desde o início o Blur estava no radar. Queria ter escrito antes do Planeta Terra, mas não consegui. Então, vamos lá. Escrever por essa banda que tanto mudou no decorrer dos anos. Positivamente.

Leisure, 1991.

blur-leisure

O álbum de estreia da banda veio na onda do Madchester e com influência do shoegaze. Ele tem She’s So High, BangThere’s No Other Way (a minha mais querida), mas como a ideia do  Uma Música Por Álbum é ir para além das músicas famosas, fico com Come Together.

Modern Life Is Rubbish, 1993.

blur modern-life-is-rubbish

Pode não ser o melhor, tecnicamente, mas o Modern Life Is Rubbish é o meu álbum favorito do Blur. O mais querido. Sem dúvida alguma.

Disco que marca o início do meu movimento musical favorito, o Britpop, que tem entre as famosas: For Tomorrow, Chemical World e Sunday, Sunday. Eu coloco aquela que dá vontade de apertar a banda inteira: Star Shaped. Fofíssima.

I feel so unecessary
(we don’t think so, you seem starshaped)

Parklife, 1994.

blur parklife

Disco que crava a banda no topo das paradas britânicas, que esquenta a rivalidade com o Oasis, mas acima de tudo: colocou a banda na história da música.

As quatro canções de trabalho ajudaram bem: Girls & Boys, End of a Century, Parklife e To the End.

O Parklife é sensacional, fica difícil escolher uma só. Mas já que me propus a esse desafio, fico com This is a Low.

The Great Escape, 1995.

blur-thegreatescape

Sucesso mais que consolidado, muitas drogas, solidão e hits: Country House, The Universal, Stereotypes e Charmless Man. Disco pra lá de especial pra mim, pois foi nessa época que conheci a banda.

Fico com a tristona Best Days….linda, linda.

Blur, 1997.

Blur

O álbum que leva o nome da banda e que tem a música que os levou a ter sucesso em locais ainda não conquistados é, na minha opinião (como tudo aqui no words of leisure), o melhor de todos.

Incrível do início ao fim, muito mais cru que os anteriores, mais rock. Tem a perfeita Beetlebum, além de On Your Own, M.O.R. e, claro, Song 2.

Como dica, a belíssima You’re So Great, composta e cantada pelo Graham. De uma simplicidade única.

 

13, 1999.

blur 13

13 é um retrato do fim do relacionamento do Damon com a Justine Frischmann, do Elastica. Que gerou frutos musicais maravilhosos, como a antológica Tender e a tristíssima No Distance Left To Run. Além de Coffee & TV e seu memorável videoclipe.

Eu escolho, como apresentação aos que não conhecem o disco, Trimm Trabb. Que ficou ainda mais querida após o Planeta Terra, já que pouquíssimas pessoas conheciam. Não era o meu caso com os meus amigos…

Think Tank, 2003.

blur think tank

O último álbum de estúdio da banda (que siso mude logo), veio a conturbada e triste saída do Graham e, consequentemente, com o domínio do Damon em todo o processo de composição/gravação. Quem conhece a banda sabe da exata importância do guitarrista e o efeito que sua saída teve.

Coincidência ou não, a minha canção favorita teve a presença do Graham. Battery In Your Leg é esplendorosa.

Banda linda. Conseguiu me fazer ainda mais fã após vê-los ao vivo.

O que acharam?

Volto mais tarde / Ao som de Blur /