Esportes: R.I.P. María de Villota, por Flavio Gomes

Ontem, eu expressei todo o meu choque e minha tristeza pelo falecimento dessa forte mulher chamada María de Villota, no post Esportes: R.I.P. María de Villota.

Laudo preliminar já teria indicado que sequelas do seu fortíssimo acidente teriam acarretado na sua morte.

Faz parte, né?

maria_villota_piloto_marussia_2012-2

Ontem, o Flavio Gomes escreveu uma carta aberta à moça, que vale a pena ser lida não apenas por aqueles que acompanharam a luta dela, ou que gostam de automobilismo, mas sim por todos.

Sobre a vida. Sobre enfrentar a vida.

Muito bela.

Cito:

E correr da vida a pé não é para todo mundo, María. Não quando a gente passou o tempo todo dentro de um carro, fugindo dela, olhando só para a frente, esperando a hora de receber uma bandeirada para olhar para trás e, então, dar uma banana para a vida. Até a próxima, vida. Você não me alcançou hoje. Tente de novo. Te aviso o dia e a hora. Tente de novo.

E é para isso que os automóveis correm, para que a gente fuja dessa vida que insiste em nos perseguir despejando perguntas que a gente não sabe responder. A gente tem medo da vida, María. Um carro é um bom meio para escapar dela. Somos crianças, lembra? O mundo é muito assustador. Por favor, nos deem alguma coisa que ande bem rápido para que nada nos alcance.

Para ler o texto completo, clique em Coluna Warm Up, por Flavio Gomes: María.

Volto mais tarde | Ao som de Nina Simone – Don’t Explain |

Anúncios

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.