Coluna do Marte: Dica de Bar em Barranquilla, “La Troja”

Iniciando a série de posts sobre a Colômbia, vou falar um pouco sobre um bar tradicional de salsa chamado “La Troja”, que representa o que há de mais típico da salsa colombiana, e mais especificamente barranquillera.

Fonte: barranquillaessalsa.blogspot.com.br
Fonte: barranquillaessalsa.blogspot.com.br

Acredito que muitos devem conhecer a salsa de uma maneira mais geral, mas vale a pena fazer uma pequena apresentação. Ela tem origem em meados do século XX, resultando de uma mescla de vários estilos latinos e africanos, utilizando-se muitos instrumentos de percussão. Seu país natal é Cuba, mas ela se espalhou e se popularizou por todo o mundo, inclusive em lugares bastante improváveis, como o Japão. Pra vocês terem uma ideia  conheci em Cali um croata de Rijeka chamado Krešimir Martinović que era professor de salsa em seu país, onde já praticava a dança há sete anos. Antes da Colômbia ele havia estado em Cuba também, exatamente para se aperfeiçoar na salsa.

Legenda: Este vídeo é de um cantor clássico da salsa colombiana, Joe Arroyo. No clipe mostram imagens do carnaval de Barranquilla, que tem a fama de ser o melhor da Colômbia. Nessa cidade tive a oportunidade de visitar um bar bem tradicional de salsa, chamado “La Troja”, consagrado como patrimônio cultural barranquillero.

Em Barranquilla (meu ponto de partida nesse país) fui ao “La Troja” já na primeira noite. Quem me levou foi Fidel Castro, um advogado 50 e poucos anos, (esse é realmente o nome dele na identidade, e eu sei porque apostei 6 cervejas com ele que o nome dele não era esse mas perdi), dono do albergue onde me hospedei, chamado Mamy Dorme Hostel (para ver comentários a respeito deste, clique aqui). Ele me garantiu que era um lugar bastante seguro e democrático, aonde iam muitos turistas estrangeiros (que seguramente era ele quem levava).

O lugar mais parecia um bar da periferia do Rio de Janeiro, com pessoas de todas as idades e classes sociais dançando e interagindo, tomando cerveja (aguila), whisky (old parr), rum (medellín) ou aguardiente (que é feita com cana mas também leva anis). Como acontece em muitos lugares também no Brasil, ademais do álcool, havia aqueles que também cheiravam coca no banheiro e fumavam seu baseado na rua, mas isso é tema para outro post. Com relação à comida, são servidos tira-gostos no bar ou se pode comprar de vendedores ambulantes e de barraquinhas de comida do outro lado da rua, desde sanduíches e porções de carne e batata frita até a famosa butifarra, uma linguiça bem típica. Além disso, várias pessoas levam instrumentos ao bar para acompanhar a música que está tocando no som, como campanas, maracas, claves, entre outros.

Fonte: Jornal El Tiempo
Fonte: Jornal El Tiempo

Mesinhas de plástico, isopores com cerveja, gente em pé dançando e tocando, comida simples de buteco, um ambiente seguro, e o mais tradicional do cenário salseiro barranquillero, é isso que o La Troja tem a oferecer. Com certeza é um programa que vale a pena fazer, não só pela música, mas pelo bar em si.

O endereço é Calle 74 esquina com Carrera 44, Barranquilla.

Para uma visão local do bar, recomendo a reportagem do jornal colombiano El Tiempo:

Así se baila en La Troja, Barranquilla, lugar emblemático de la salsa

ao som de La 33 – La Pantera Mambo

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.