Música do Dia: Alanis Morissette – Head Over Feet

Fofa!

Alanis Morissette - Head Over Feet

You’ve already won me over in spite of me
Don’t be alarmed if I fall head over feet
Don’t be surprised if I love you for all that you are
I couldn’t help it
It’s all your fault

Volto mais tarde | Ao som de Alanis Morissette – Head Over Feet |

Anúncios

No Meu iPod: Alanis Morissette, “Havoc And Bright Lights”

Semana passada eu contei como foi o show da Alanis Morissette aqui em BH e como a minha decisão de ir foi tomada em cima da hora.

 

O que deixei de lado foi escrever que, nessa turnê, a cantora canadense promove seu último álbum “Havoc and Brights Lghts”, que eu não tinha escutado antes de partir rumo ao Chevrolet Hall.

Vacilei.

Continuar lendo “No Meu iPod: Alanis Morissette, “Havoc And Bright Lights””

Esportes: Ninguém Caminha Sozinho

Há quem não acredite na capacidade do esporte de mudar qualquer coisa.

Desde ontem, estou encantada com a atitude do Everton, grande rival do Liverpool, de honrar as 96 vítimas da tragédia de Hillsborough.

Ainda mais após ver o vídeo completo.

Concordo com o que tem sido falado por aí: um dos grandes momentos da história da modalidade.

Inclusive, coloco o link para o texto “Ninguém caminha sozinho”, lindamente escrito por Bruno Bonsanti (e de onde eu tirei o título do meu post, como vocês devem ter percebido).

“Nesta segunda-feira, aconteceu a homenagem mais tocante. A rivalidade entre Everton e Liverpool é uma das maiores da Inglaterra, mas isso não impediu o clube azul de mandar seus gandulas utilizarem uma camisa com o número 96 nas costas. Nem de entrar em campo para enfrentar o Newcastle com dois mascotes, um com o uniforme do Liverpool e o número 6, e outro com o do Everton e o número 9. Os nomes de todos os mortos foram passados no telão, ao som da balada “He ain’t heavy, he’s my brother”, antecedendo a mensagem final, Merseyside United. Das cenas mais emocionantes que o futebol pode produzir’. Não gosto de comparar países e culturas diferentes, mas há certos princípios que deveriam ser consenso em qualquer lugar. Um deles é a força da união. Enquanto neste país abençoado por Deus e bonito por natureza misturam rivalidade com inimizade, os clubes ingleses se juntaram para fundar a Premier League, motivados por Hillsborough, e revolucionaram entre outras coisas, os estádios do país. A competição tornou-se a mais lucrativa do mundo. Por aqui, não há união nem para vender direitos autorais a um jogo de video-game.”

Volto mais tarde | Ao som de The National – Lucky You |