Na Estante: Quais Livros Sobre Inovação São Bons Para Empreendedores?

A Revista Exame publicou dicas de livros para aprofundar os conhecimentos sobre inovação, um dos meus temas favoritos nos últimos tempos.

Fonte: exame.com.br

Entre eles, “As Dez Faces da Inovação”, que eu já ouvi falar que é muito bom. Mas não posso dar a minha opinião, porque ainda não o li.

Para ver os outros, clique aqui.

Volto mais tarde.

Ao som de Kasabian – Let’s Roll Just Like We Used To

Denúncia: Dermatologistas Que Não São Dermatologistas, parte II

Pessoal,

O post mais compartilhado desse recente blog foi o “Denúncia: Dermatologistas que não são dermatologistas“. Isso me deixou muito contente, porque se eu, dentro do meu pequeno mundo, consegui deixar algumas pessoas mais antenadas para esse gravíssimo problema, já fiz algo, certo?

Fonte: Cremesp.org.br

Pois bem, para reforçar a importância de ir a um dermatologista que seja credenciado na SBD ou no CRM (e mesmo para outras especialidades), olhem isso que o Conselho Regional de Medicina de SP publicou há um tempo atrás, mas ainda assim válido:

“Estudo inédito do Cremesp revelou que cerca de 97% dos médicos que respondem a processos ético-profissionais nesta Casa, relacionados a cirurgias plásticas e procedimentos estéticos, não possuem título de especialista na área. A publicidade irregular ou enganosa é responsável por cerca de 67% dos processos, enquanto as denúncias de má prática profissional respondem por cerca de 28% dos processos éticos, que envolvem a suposta má prática (negligência, imperícia ou imprudência).

São condutas profissionais ligadas, por exemplo, a erro de diagnóstico, métodos inadequados de tratamento, má assistência no período pós-operatório, prescrição errada de medicamentos, complicações anestésicas, erro em cirurgias, alta precoce, dentre outros problemas. Algumas das denúncias de má prática estão relacionadas a resultado insatisfatório de cirurgias plásticas, mas também a prejuízos à saúde do paciente e até mesmo a danos estéticos irreversíveis. Em duas das denúncias que geraram processos éticos no Cremesp as pacientes foram a óbito.

Em levantamento inédito, o Cremesp analisou processos éticos que tramitam no órgão de janeiro de 2001 a julho de 2008 e que envolvem 289 médicos. Destes, 139 médicos (48,1%) não têm qualquer título de especialidade médica. (Grifo meu, ok?)

Repito: Destes, 139 médicos (48,1%) não têm qualquer título de especialidade médica.” 

!!!

Então, pessoal! Não há desculpas né? Pesquisem e evitem problemas para vocês mesmos!

Se quiserem (e acho que devem) ler o texto completo, cliquem aqui.

Volto mais tarde.

Ao som de A-HA – You’re the one