Músicas do Dia: Eric Clapton – Cocaine e Before You Accuse Me (Take a Look At Yourself)

Pela primeira vez, postarei duas músicas no “música do dia”. Como elas são do Deus, está tudo bem!

Mas qual a causa, motivo, razão e circunstância?

Clapton é Deus! Alguém duvida?

Desde a morte da Amy Winehouse, tenho ouvido e lido tantas coisas que me chocaram de uma forma que até pensei em deixar quieto. Mas um colega postou Before You Accuse Me em defesa da cantora e eu pensei: “Perfeito”!*

Before you accuse me (take a look at yourself), ou, em bom português: “Antes que você me acuse (olhe para si mesmo).

Before You Accuse Me

Eric Clapton

Before you accuse me, take a look at yourself
Before you accuse me, take a look at yourself
You say I’ve been spending my money on other women
You’ve been taking money from someone else

I called your mama ‘bout three or four nights ago
I called your mama ‘bout three or four nights ago
Well your mother said “Son”
“Don’t call my daughter no more”

First Verse

Come back home baby, try my love one more time
Come back home baby, try my love one more time
If I don’t go on and quit you
I’m gonna lose my mind

Cocaine

Eric Clapton

Composição: J.J. Cale

If you wanna hang out you’ve got to take her out
Cocaine
If you wanna get down, down on the ground
Cocaine

(3x)
She don’t lie

Cocaine

If you got bad news, you wanna kick them blues
Cocaine
When your day is done and you wanna run
Cocaine

(3x)
She don’t lie

Cocaine

If your thing is gone and you wanna ride on
Cocaine
Don’t forget this fact, you can’t get it back
Cocaine

(3x)
She don’t lie

Cocaine

(3x)
She don’t lie

(2x)
Cocaine

O engraçado é que pessoas religiosas falam que, em um momento de angústia, temos em Deus a resposta. Eu concordo! Mas nesse caso foi o da música que me ajudou! Mito!

Ps: Deixo claro que esse post não é uma apologia às drogas! De forma alguma! Apenas estou cansada de tanto moralismo e hipocrisia. Então, “antes que você me acuse, olhe para si mesmo” :-)

Volto mais tarde.

Ao som de Derek and the Dominos – Little Wing

*Valeu Pascoal, pela inspiração. O crédito é seu!

Anúncios

TED Talks: Jok Church: Um Círculo De Carinho

Hoje eu estava passando pela minha lista de vídeos do TED que eu ainda não vi e este que posto me chamou atenção pelo nome: “Um círculo de carinho”.

Talvez pelo fato de que estou bem perplexa com algumas reações em torno da morte da Amy Winehouse (puritanismo e hipocrisia me irritam demais), a história contada me comoveu bastante.

Continuar lendo “TED Talks: Jok Church: Um Círculo De Carinho”

Música do Dia: Noel Gallagher’s High Flying Birds – The Death of You and Me

Obviamente, eu parei tudo o que estava fazendo para ouvir a primeira música da carreira solo do Noel Gallagher, The Death of You and Me.

noel-gallagher-high-flying-birds-the-death-of-you-and-me-algosuena

Gostei bastante, o que não é nada surpreendente, já que sempre fui, e serei, fã do cara (como já falei aqui). Estou super na expectativa pelo álbum!

High tide, summer in the city

The kids are looking pretty
But isn’t it a pity
That the sunshine is followed by thunder
And thoughts of going under
And is it any wonder

 

Volto mais tarde | Ao som de Noel Gallagher’s High Flying Birds – The Death of You and Me |

O preço de um show no Brasil

O Estado de São Paulo fez uma interessante reportagem que busca explicar os motivos pelos quais os ingressos de shows internacionais são tão caros no Brasil.

Quando vi o link no twitter, fiz questão de ler, visto que eu amo shows e 95% das minhas bandas favoritas são estrangeiras.

Estou deprimida de não ir no show dele. Ainda mais depois de ler o livro... Fonte: estadao.com.br

Cito:
“Na semana passada, levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV), feito a pedido da Agência Estado, mostrou que os preços de serviços não prioritários no orçamento familiar, como espetáculos, já supera a inflação média em 12 meses, até junho. Shows de música ficaram 7,24% acima da inflação. O resultado é visível nas bilheterias: Rihanna entre R$ 150 e R$ 600. Limp Bizkit entre R$ 140 e R$ 300. Cirque du Soleil entre R$ 140 e R$ 395. Eric Clapton entre R$ 140 e R$ 650. Com alguns custos adicionais, como taxas de conveniência, transportes (táxis) e serviços (estacionar em torno do Estádio do Morumbi, durante megashows, chega a custar R$ 150, e no Credicard Hall estão cobrando até R$ 30), essas cifras sobem consideravelmente.”

Link para a reportagem completa, aqui.

Como é caro morar no Brasil, hein? Caramba….

Volto mais tarde.
Ao som de Corinne Bailey Rae – Till it happens to you

Música do Dia: The National – Conversation 16

Conheci o The National apenas no ano passado. Desde então, o apreço só aumenta.

the-national

Pra quem não conhece, fica a dica! Vale a pena!

I think the kids are in trouble
i do not know what all the troubles are for
give them ice for their fevers
you’re the only thing i ever want anymore
we’ll live on coffee and flowers
try not to wonder what the weather will be
i figured out what we’re missing
tell you miserable things after you are asleep

 

Volto mais tarde | Ao som de The National – Conversation 16 |

 

Música do Dia: Kasabian – Where Did All The Love Go?

Tenho amigos que são DJ’s. Outros que são apenas eventuais, que tocam apenas em algumas festas. Eu nunca fiz isso, mas se o fizesse, essa música certamente faria parte do meu setlist. ADORO!

kasabian

Ever took a punch
In the ribcage sonny?
Never met a soul
Who had no shrine?
Keep this all in your mind
And get it inside my window
What do we become
Trying to kill each other?
You’re faking it son
Gonna get you tonight
I suck another breath
To the hearts of the Revolution
Coz it still ain’t right

Volto mais tarde | Ao som de Kasabian – Where Did All The Love Go? |

O uso das redes sociais por empresas

Uma interessante pesquisa feita pela Harvard Business Review Analytic Services mostrou como as empresas erram ao fazer uso das redes sociais. Muitas delas usam apenas para ouvir a opinião dos consumidores mas não para interagir, de fato, com eles.

Screen shot 2011-07-17 at 7.47.16 PM
Fonte: http://www.hsm.com.br

Os números podem ser vistos aqui.

Essas empresas têm que entender que as redes sociais já são uma realidade e que podem perder milhares, ou mesmo milhões, de dólares (reais, euros, etc) ao ficarem fora ou ao fazerem mal uso delas.

Volto mais tarde | Ao som de Derek and the Dominos – Layla |

SalvarSalvar

No Meu iPod: Gomez, “Whatever’s On Your Mind”

Durante um bom tempo, eu ouvia falar no Gomez mas nunca parava pra escutar. Isso até o episódio de Grey’s Anatomy, que tocou “How we Operate” (esta, por sinal, já apareceu  no blog. É só clicar aqui pra conferir).

Ainda assim, demorei um bocado de tempo para de fato engrenar com a banda. O que eu entendo como uma perda de tempo da minha parte já que, hoje, eu adoro!

Gomez, “Whatever's On Your Mind”

Continuar lendo “No Meu iPod: Gomez, “Whatever’s On Your Mind””

Hoje…Algum Tempo Atrás: O Primeiro Show Dos Rolling Stones

Eu sigo alguns perfis no twitter que mostram eventos ou momentos importantes na história que ocorreram no dia em que se visita o site, porém anos, décadas ou séculos atrás.

Como eu acho muito bacana, postarei por aqui também. Claro que não vou fazer todos os dias, nem com todas as informações que vejo. Apenas com as que eu acho legais, interessantes..…

Começarei em grande estilo:

“War, children, it’s just a shot away. 
It’s just a shot away”

Continuar lendo “Hoje…Algum Tempo Atrás: O Primeiro Show Dos Rolling Stones”

Esportes: Seleção Feminina De Futebol

Domingo, infelizmente, a seleção feminina de futebol foi eliminada da Copa do Mundo.

“Marta, a melhor mulher a ter jogado futebol na história da humanidade”, por Gustavo Chacra.

O Gustavo Chacra escreveu um texto tão bom sobre isso que eu desisti de fazer o meu! Concordo com tudo, em gênero, número e grau.

Cito:

“Marta é sobrenatural. Ela é como o Michael Jordan, o Michael Phelps, o Usain Bolt, o Tiger Woods de anos atrás. Mais do que o Roger Federer, pois este perdeu o trono para Nadal e Djokovic.

Marta poderia ser mais do que Pelé. Mais do que Hortência e Paula juntas, mais do que Maria Esther Bueno. Nunca o Brasil teve uma atleta como esta camisa dez. Mas a CBF desperdiçou a chance de conquistarmos a Copa. Quem sabe, por ter 25 anos, ela ainda estará em campo nas Olimpíadas de 2016. Vamos sonhar com uma medalha de ouro ou uma Copa para esta atleta, marcada por ser vice-campeã.”

Para ler o texto completo, clique aqui.

Volto mais tarde | Ao som de Travis – Ancient Train |

RSA: A “Royal Society of Arts”

Já fiz alguns posts relacionados ao TED (Aqui, aqui, aqui e aqui rs). Tem menos tempo que eu comecei a acompanhar os vídeos da RSA, que também é muito boa. Inclusive, já falei sobre ela aqui, mas agora quero fazer de forma mais específica.

RSA_core_logo_RGB_withstrap-330x190
http://www.thersa.org/

O nome completo (ao contrário do que está no título do post) é: Royal Society for the encouragement of Arts, Manufactures and Commerce. Instituição criada em 1754, ganhou título real em 1847 e já teve como membros, por exemplo, Benjamin Franklin, Karl Marx, Adam Smith, Stephen Hawking e Charles Dickens.

Pouca coisa né?

De acordo com o seu estatuto, ela tem como função estimular produções científicas, estimular empresas, entender melhor o comércio, entre outros. E assim, produzem debates que são muito, muito bons.

Então, deixo aqui um vídeo por razões particularmente egoístas, visto que é um debate sobre o futuro da Irlanda.

Vale a pena conferir o site: http://www.thersa.org

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Don’t Blame Your Daughter (Diamonds) |

TED Talks: Dan Pink e a Surpreendente Ciência da Motivação

Estava conversando com um colega de trabalho sobre o TED e ele me recomendou a apresentação do Dan Pink sobre motivação.

Ela é de 2009, então alguém aqui pode já ter visto.

Eu gostei tanto que coloco mesmo assim..

Fonte: ted.com

O argumento dele é que as formas tradicionais de motivação no trabalho, recompensa e punição, somente funcionam em situações bem específicas. Assim, defende os pontos “Autonomia, Domínio e Propósito”.

https://ted.com/talks/view/id/618

Muito bom! Agradeço ao Eduardo pela dica!

Volto mais tarde | Ao som de Alanis Morissette – Head Over Feet |

Música: Um Dia de Ótimas Notícias

Fiquei tão feliz com a notícia dos novos episódios do Chaves, que estava quase me esquecendo de comentar sobre a outra grande notícia do dia.

Welcome back, dear! You’ve been missed!

O anúncio dos dois novos discos do Noel Gallagher, ex-Oasis (que tristeza escrever isso)! O primeiro, previsto para outubro se chamará “Noel Gallagher’s High Flying Birds”. Já o segundo, que sairá em 2012, é uma parceira com a dupla Amorphous Androgynous.

Mais notícias no site dele, o http://www.noelgallagher.com.

Lá dá pra ver a entrevista coletiva, na qual ele fez esse excelente anúncio.

Eu, como fã incondicional, espero pelos dois, ansiosamente!!

Abaixo, o rapaz assumindo o vocal em uma das músicas que eu mais amo na vida.

“While we’re living
The dreams we have as children
Fade away”

ou

“Enquanto vivemos
Os sonhos que temos quando crianças
Desaparecem”

Volto mais tarde | Ao som de Oasis – Fade Away |

TV: A Melhor Notícia Do Dia… Da Semana

Transcrevo, do blog do Rodrigo Martins, a melhor notícia do dia…

‘Chaves’ terá episódios perdidos e inéditos transmitidos pelo SBT

40 anos de transmissão de uma série que durou apenas 8. Sensacional!

O SBT divulgou há pouco em seu telejornal noturno que irá transmitir episódios inéditos do seriado mexicano Chaves a partir de agosto. Segundo o anúncio (abaixo), estavam perdidos nos arquivos da emissora e estão sendo restaurados.

Agora eu posso dormir mais feliz.

Volto mais tarde | Ao som de Ian Brown – Return of the Fisherman |

Hoje…Algum Tempo Atrás: Os 10 Anos do “Songs in A Minor”

Há exatamente um mês, a Alicia Keys comemorou os 10 anos do lançamento do seu primeiro disco, o “Songs in a Minor”.

songs-in-a-minor
Parabéns pra você…..Cantado com 1 mês de atraso…

Eu tenho altos e baixo em relação a moça. Tem músicas que eu gosto demais, outras que detesto. Mas, basicamente, quando ela senta em frente ao piano, toca e canta, sem muita firula, eu aplaudo bastante.

Acho o “Songs in a Minor” um excelente disco. O vídeo abaixo fala um pouco sobre a história dele. Um comentário me chamou muita atenção: como ela, vinda de Hell’s Kitchen (NYC), negra, aos 20 anos, apareceu para o mundo falando sobre o valor da mulher (A Woman’s Worth, que é uma das minhas músicas favoritas). Realmente, é bacana.

Como eu falei que gosto quando ela toca piano sem muita firula, deixo o vídeo daquela que é a minha favorita do álbum. Reparem como ela mal olha para o piano enquanto canta. Como eu sou uma pessoa que não toca nenhum instrumento, acho isso lindo. E que solo!

Detalhe que ela só tem 30 anos de vida. Caramba!

Volto mais tarde | Ao som de Alicia Keys – Fallin’ |

Música do Dia: Dixie Chicks – Not Ready To Make Nice

Eu conheço muito pouco o trabalho da Dixie Chicks. Do pouco que conheço, gosto.

Lembro muito bem quando, em 2003, elas se meteram em uma controvérsia gigante, quando a cantora Natalie Maines, em um show na Inglaterra, repudiou a guerra do Iraque. Não somente falou que era contra, mas também que tinha vergonha de ser do mesmo estado que o ex presidente George W. Bush, o Texas. Como, na época, a guerra recebia um alto grau de apoio da população, elas foram execradas. A venda de discos caiu abruptamente, tiveram álbuns queimados e, inclusive, foram ameaçadas de morte.

Dixie_Chicks_-_Not_Ready_to_Make_Nice

Como elas não são tão grandes aqui no Brasil, o caso não foi tão divulgado por aqui. Só que lá, elas são muito famosas. Muito mesmo, então, o bicho pegou para o lado delas. Foram da “banda feminina com maior número de discos vendidos” para ameaçadas de morte. Loucura total, principalmente vindo de um país que sempre prega a liberdade de expressão.

Dentro disso tudo, uma coisa me chamou muito a atenção. Elas lançaram uma campanha para explicar o que falaram, mas não pediram desculpas. Não somente a Natalie, mas a Martie Maguire e a Emily Robinson. Uma prova de amizade muito bonita, visto que as outras duas não foram as que falaram, porém ficaram ao lado da amiga, mesmo com a banda entrando em uma crise absurda.

Também me lembro quando foi anunciado que elas, em 2005, iam ao show da Oprah para lançar um documentário e o novo álbum. Nele está a minha música do dia “Not ready to make nice”. O trailer do documentário pode ser visto aqui. É, realmente, impressionante.

De acordo com a banda, a música era pra ser um desabafo com conotação universal, não necessariamente sobre o ocorrido. Só que em um momento tem-se a fala:

“And how in the world

Can the words that I said

Send somebody so over the edge

That they’d write me a letter

Saying that I better shut up and sing

Or my life will be over.”

Que é algo do tipo (nada literal):

Como as palavras que eu disse podem levar outra ao ponto de me escrever uma carta, dizendo que seria melhor que eu me calasse e cantasse ou a minha vida acabará?

Bom….

Eu continuo sem conhecer direito o trabalho da banda, mas acho essa música sensacional. E que eu sempre escuto quando estou brava, frustrada….Já que eu não sei compor música, uso o desabafo dos outros, quando preciso rs.

O vídeo abaixo não é o oficial, mas é uma gravação ao vivo que eu gostei bem.

Forgive, sounds good
Forget, I’m not sure I could
They say time heals everything
But I’m still waiting

Volto mais tarde | Ao som de Dixie Chicks – Not Ready To Make Nice |

Música do Dia: The Doors – Touch Me (Especial)

O “Música do Dia” de hoje é especial. Uma singela homenagem àquele que ficou muito pouco tempo por aqui, mas que fez uma imensa diferença.

Ontem eu acabei me esquecendo de prestar as devidas homenagens aos 40 anos do falecimento do maravilhoso Jim Morrison. Erro imperdoável da minha parte, mas fica aqui a tentativa de me redimir.


Eventos foram feitos em Paris, e em todo o mundo, para homenagear esse mito! Homenagear a breve e intensa vida dele!

O blog Jim Morrison’s Paris, que mostra os passos dele na cidade, no últimos meses de sua vida, tem uma seção especial para os eventos que não deixarão a data passar em branco. Como eu adoro o cara, vou salvar o link com carinho para quando eu estiver por lá.

Já o Jim Morrison’s Project foi lançado hoje, com o intuito de ser uma antologia visual e musical sobre ele.

Bacana demais!

Finalmente, deixo aqui o vídeo e a letra da minha atual música favorita da banda (isso sempre muda).

Come on, come on,
Come on, come on
Now, touch me, babe.
Can’t you see that I am not afraid?
What was that promise that you made?
Why won’t you tell me what she said?
What was that promise that you made?

Volto mais tarde | Ao som de The Doors – Touch Me |