Música do Dia: Super Furry Animals – Hello Sunshine

Música querida demais…

E o clipe?

Super Furry Animals - Hello Sunshine

In honesty it’s been a while
Since we had reason left to smile
Hello sunshine
Come into my life

Volto mais tarde | Ao som de Super Furry Animals – Hello Sunshine |

Música do Dia: Kasabian – bumblebeee

Enquanto isso, eu só enrolando para escrever sobre esse álbum.

Mas tenho motivos.

Que serão explicitados quando o post sair…

4813-kasabian

Gettin’ a message? A message for me
I’m caught up in love, and I’m in ecstasy
What can I do now, when nothing’s the same?
And all that i know, I wanna do it again
Life is so simple when you are with me
‘Cause when we’re together, I’m in ecstasy
I’m in ecstasy
I’m in ecstasy
I’m in ecstasy

Volto mais tarde | Ao som de Kasabian – bumblebeee |

Dica de Leitura: Jornal “Estado de Minas” Encontra Hilda Furacão

Nossa, vocês viram a reportagem especial feita pelo Jornal Estado de Minas, que encontrou a mítica Hilda Furacão em Buenos Aires? Sim, ela ainda está viva (eu não sabia), com 83 anos, e mora em um asilo na capital da Argentina.

Fonte: Estado de Minas

Fonte: Estado de Minas

Eu me lembro muito bem da época em que a série foi gravada, porque algumas das locações eram próximas à minha escola.

Talvez por isso, ela foi uma das minhas favoritas.

Mas, daquilo escrito no romance de Roberto Drummond e relatado na produção da Rede Globo, para a realidade….

Buenos Aires – “A Hilda Furacão, onde ela estiver…”. Essa é a última das muitas dedicatórias que Roberto Drummond (1939-2002) faz no livro Hilda Furacão (1991, Geração Editorial). Pois a verdadeira personagem, viúva do jogador de futebol Paulo Valentim, ídolo do Atlético, Botafogo, Boca Juniors – jogou ainda no Atlante (México) –, batizada Hilda Maia Valentim, está viva, com 83 anos. Solitária, mora em um asilo, o Hogar Guillermo Rawson, no Bairro Jujuy, em Buenos Aires. Quem paga as despesas é o município portenho. Não há mais o glamour e o luxo dos tempos dourados na capital argentina, nem resquícios da vida na zona boêmia de Belo Horizonte, que a tornou famosa nos anos 1950. A realidade da mulher, que na obra de ficção de um dos maiores escritores mineiros se chamava Hilda Gualtieri von Echveger, é outra, completamente diferente da personagem da literatura. Ela, aliás, nunca frequentou o Minas Tênis Clube. Nem sequer sabe onde fica.

Gostei muito de ler, mas confesso que me bateu uma tristeza por ver qual foi o destino dessa legendária figura de Belo Horizonte.

Abaixo, os links:

Exclusivo: EM encontra Hilda Furacão vivendo em um asilo em Buenos Aires

Hilda Furacão lembra momentos de glória e decadência ao lado do marido

Após duas quedas, Hilda Furacão foi parar em asilo de Buenos Aires

Romance de Roberto Drummond, Hilda Furacão é um guia para a BH dos anos 50

Hilda Furacão se lembra pouco da BH de seu tempo e alimenta mágoa de parentes de marido

Vale a leitura.

E fica o parabéns ao jornalista Ivan Drummond, e sua equipe, pelo material produzido.

Volto mais tarde | Ao som de Kasabian – Acid Turkish Bath (Shelter From The Storm) |

Música do Dia: Alicia Keys – Wait Til You See My Smile

Não gosto de tudo dela. Mas o que gosto…

Tipo Wait Til You See My Smile.

Alicia_Keys_-_Wait_Til_You_See_My_Smile

Hey, so you do it better now
Everybody comes around
But you don’t really need them
Cause you’re stronger, and you’re better
And you’re ready for whatever, saying

Volto mais tarde | Ao som de Alicia Keys – Wait Til You See My Smile |

Infográfico: As Perguntas Nas Entrevistas De Empregos

Vi este Infográfico no Pinterest e achei muito interessante. Lista as perguntas mais comuns nas entrevistas de trabalho e dicas de como respondê-las.

Sempre útil.

IMG_4301

Ficam as dicas.

Feito pelo Graphs.net.

Volto mais tarde | Ao som de Snow Patrol – Black and Blue |

Música do Dia: Sheryl Crow – The First Cut Is The Deepest

Sheryl-Crow-The-First-Cut-Is-the-Deepest

I still want you by my side
Just to help me dry the tears that I’ve cried
And I’m sure going to give you a try
And if you want I’ll try to love again (try)
Baby, I’ll try to love again but I know

Volto mais tarde | Ao som de Sheryl Crow – The First Cut Is The Deepest |

Música do Dia: Meredith Brooks – Bitch

Desenterreeeeeeeei…

Meredith+Brooks+-+Bitch

So take me as I am
This may mean you’ll have to be a stronger man
Rest assured that when I start to make you nervous
And I’m going to extremes
Tomorrow I will change
And today won’t mean a thing

Volto mais tarde | Ao som de Meredith Brooks – Bitch |

Lista: Os 17 Melhores SMS Enviados Aos Ex Namorados

Eu ri, um bocado, com a lista feita pelo BuzzFeed com os 17 Melhores SMSs enviados a ex-namorados(as).

 Tipo, esse:

3. This person pretending to be an error message.

edit-13597-1406236829-4

Ou:

9. This person with a fiery response.

enhanced-6942-1406232156-13

E essa aqui:

16. This person who values honesty above all else.

enhanced-10732-1406236282-13

Muito bons.

Para ver as outras 14, basta clicar em qualquer uma das figuras acima.

Volto mais tarde | Ao som de The Cardigans – Deuce |

Música do Dia: The Kinks – You Really Got Me

Bom demais da conta.

the kinks you really got me

Girl, you really got me goin’
You got me so I don’t know what I’m doin’
Yeah, you really got me now
You got me so I can’t sleep at night

Yeah, you really got me now
You got me so I don’t know what I’m doin’, now
Oh yeah, you really got me now
You got me so I can’t sleep at night

Volto mais tarde | Ao som de The Kinks – You Really Got Me |

Dicas de Filmes: 50 Filmes Para Assistir No Netflix

Eu sou assinante do Netflix e, justamente por isso, concordo plenamente com o parágrafo inicial da reportagem do Zero Hora, com os 50 filmes que você tem que assistir no Netflix:

É conhecida uma piada que diz que o assinante do Netflix passa mais tempo escolhendo o filme a que vai assistir do que, de fato, o assistindo. Isso porque o catálogo do serviço de streaming é gigante e a organização dos títulos no site ou nos aplicativos não é das melhores.

#fato

Por essas e outras que eu fiz o post aqui no blog recomendando o UpFlix. aplicativo que avisa quais são os filmes que entram na lista do serviço.

E, justamente nessa mesma toada, que sugiro uma lida na reportagem do Zero Hora. Há filmes ali que eu não sabia que estavam disponíveis.

francesha

E tem também o Frances Ha, que já foi recomendado aqui no blog, como pode ser visto ao clicar na foto acima.

Já para ler a matéria do Zero Hora, basta clicar aqui.

Volto mais tarde | Ao som de Suede – High Rising  |

Música do Dia: Creedence Clearwater Revival – Bad Moon Rising

Opa.

creedence-clearwater-revival-bad-moon-rising-1969-12

I hear hurricanes blowing
I know the end is coming soon
I fear rivers over flowing
I hear the voice of rage and ruin

Volto mais tarde | Ao som de Creedence Clearwater Revival – Bad Moon Rising |

No iPod: Menos Demônios Que Nunca

Sim, sim este é um post sobre o Demônios da Garoa.

Não, não fui eu quem escreveu.

Pela primeira vez no words of leisure, outra pessoa fez um post sobre música. Só que quem escreveu já esteve por aqui.

Foi o meu querido amigo Lucas Rezende, que publicou o texto Esportes: Os Perigos da Copa do Mundo e das Olimpíadas para a Política Externa Brasileira.

Então, o que vem abaixo é de responsabilidade dele. Eu apenas abro o espaço. E fico muito feliz por isso.

Volto mais tarde | Ao som de Oasis – The Importance of Being Idle  |

Menos Demônios Que Nunca

Por Lucas Pereira Rezende

Lançado pelo selo Biscoito Fino, saiu agora do forno o novo disco dos queridos Demônios da Garoa. Levando o título de “Um Samba Diferente”, o disco traz um misto de regravações e músicas novas. Como fã inveterado dos Demônios, fui correndo conferir e, logo de cara, já senti o impacto dos dias modernos – mas pelo lado positivo: ao ver a notícia do lançamento, em menos de 1 minuto já podia ouvir o disco no meu iTunes. Mas para por aí a boa novidade do disco.

demonios da garoa um samba diferente

Como fã de longa data, confesso que fiquei um pouco decepcionado com o lançamento. Tudo bem, eu sei que sempre serei da turma do “antigamente era melhor”. Sei que aqueles Demônios das décadas de 1950 a 1980 nunca mais se repetirão. Foi-se, e o registro fica aí para podermos curtir, felizmente. É importante inovar, mas o conjunto erra ao trazer uma inovação por onde não deveria. Lançar no iTunes, sim. Fazer uso de novas mídias para se comunicar com o público, óbvio! Facebook, twitter, Instagram, tudo isso mostra um sangue novo bom e o entendimento que a forma de comunicação com o público mudou. Não se pode esperar que o público só conheça as músicas ouvindo-as na rádio, como há 70 anos. E isso o conjunto vem fazendo bem. Já a mudança no estilo é, a meu ver, um tiro no pé.

Continuar lendo